terça-feira, novembro 18, 2008

Maroon 5 canta e encanta público em SP

Apesar do show curto, com 1h15 apenas, grupo teve a participação do fãs em todas as músicas, que cantavam em coro os hits da banda





Com 15 minutos de atraso, a banda Maroon 5 subiu ao palco em uma casa de shows em São Paulo ontem (09/11/09), depois de quatro anos sem pisar no Brasil, para delírio dos fãs. Abrindo o espetáculo com o hit “This Love” (do álbum “Songs About Jane”), cada uma de suas músicas era cantada em coro, do começo ao fim.
A apresentação seguiu com o público registrando em fotos e vídeo (apesar de teoricamente serem proibidos de entrar com câmeras) cada passo do vocalista Adam Levine. Cheio de ginga, Adam chegou até a escorregar e cair sentado diante do público. Contornando o fato, o cantor disse que nunca havia caído em nenhum de seus shows, e que foi maravilhoso desabar pela 1ª vez em São Paulo. Os espectadores riram e aplaudiram.
Na seqüência, as mais esperadas “She will be loved” e “Sunday Morning”, do álbum “It Won’t Be Soon Before Long”, foram tocadas, e depois da despedida clássica e do bis da platéia, o grupo voltou e emendou “Harder to Breathe” e “Sweetest Goodbye”, fechando o show em uma hora e quinze minutos cravados.
Luíza Araújo, estudante de biologia que foi sozinha ao evento, não se arrependeu. Segundo ela, o show foi curto, mas inesquecível. Ao que parece, todos os eufóricos fãs concordam com ela.

História

O grupo de pop rock Maroon 5 é formado por Adam Levine (vocal e guitarra), James Valentine (guitarra), Jesse Carmichael (teclado), Mickey Madden (baixo) e Matt Flynn (bateria). Com pouco mais de 10 anos de atuação, eles são conhecidos pelo sucesso e pela quantidade de prêmios que já receberam. Desde 2004, colecionam 14 prêmios como reconhecimento de seu trabalho, além dos 26 discos de platina pelo álbum de estréia, “Songs About Jane” (2002), que teve mais de 10 milhões de cópias vendidas.
Foi com o hit “This Love” desse álbum que a banda se tornou conhecida internacionalmente. A música ocupou o primeiro lugar das paradas brasileiras por várias semanas e entrou para a trilha sonora da novela global “Senhora do Destino”.

Biografia

Os integrantes Adam Levine, Jesse Carmichael, Mickey Madden e o então baterista Ryan Dusick se conheceram quando eram adolescentes. e começaram a tocar juntos sob influência de artistas como Nirvana e Pearl Jam. A banda, chamada “Kara’s Flowers” e o primeiro álbum, “The Fourth World”, gravado em 1997, não obteve sucesso.
Os jovens, então, resolveram dar um tempo na carreira da banda para cursar faculdade. Foi durante esse período que mudaram o estilo de música, agora direcionada também ao R&B e ao hip-hop. Em 2001, reuniram-se novamente, contando também com a participação de James Valentine como guitarrista. Com cinco integrantes, o grupo muda seu nome para Maroon 5.
Em 2002, eles lançam o premiado álbum de estréia “Songs About Jane”, cujas mais de 10 milhões de cópias no mundo concederam 26 discos de platina ao Maroon 5. No ano seguinte, Ryan Dusick, baterista da banda desde “Kara's Flowers” anuncia sua saída da banda por conta de lesões no braço, substituído então por Matt Flynn.
“It Won’t Be Soon Before Long” começa a ser divulgado em 2007, após um período de quatro anos sem shows da banda. O álbum tem influências de ícones dos anos 80 como Prince, Michael Jackson e Talking Heads, e reflete também as contribuições do novo baterista Matt Flynn. O primeiro single foi “Makes Me Wonder”, que ficou três semanas no topo da Billboard.

sábado, setembro 27, 2008

A falta de tempo me complica...

Olá fiéis leitores, sedentos por novas informações de passeios incríveis e jornadas fantásticas.

Peço desculpas pela longa ausência, mas a união das siglas TCC (trabalho de conclusão de curso) e EPTV, onde eu trabalho, estão esgotando as parcas 24 horas do meu dia.

Dessa forma, me resta apenas divulgar um outro blog, parte do projeto de tcc.

Não deixe de conhecer novas informações no

http://biosferatv.blogspot.com


Abraços e até a próxima!

LARCF

terça-feira, setembro 09, 2008

Gisele Bündchen planta árvores em Campinas

Gisele Bündchen realiza plantio simbólico em viveiro em Campinas

A übermodel Gisele Bündchen mostrou que está firme em suas atividades ecológicas de conscientização ambiental, ao vir para o plantio de mudas de árvores em um viveiro no distrito de Joaquim Egídio, em Campinas. A ação foi para marcar seu apoio ao projeto Florestas do Futuro, criado pela fundação SOS Mata Atlântica.


O projeto pretende plantar dez mil mudas de árvores nativas em uma área de seis mil hectares.

A modelo quebrou o protocolo e plantou três mudas, duas a mais que o previsto.





Com direito até a exclusiva para o Terra da Gente!!




LARCF

sábado, agosto 30, 2008

4ª ETAPA DO TROFÉU BRASIL TEM ATLETAS OLÍMPICOS, EXEMPLOS DE SUPERAÇÃO E PRÊMIOS EXTRAS




Nem a água gelada da raia olímpica da USP ou o circuito extremamente técnico do ciclismo abalaram os mais de duzentos atletas que participaram nesse domingo da 4ª etapa do 18º Troféu Brasil de Triathlon.

Sob um céu nublado, os competidores dividiram-se na prova entre as distâncias do Short (750 metros de natação, 20K de ciclismo e 5K de corrida) e Olímpico (1500 metros de natação, 40K de ciclismo e 10K de corrida).

E último dia das Olimpíadas em Pequim, a prova teve como vencedores justamente dois triatletas que já marcaram presença em Jogos Olímpicos. Paulo Miashiro e Carla Moreno foram os vencedores das categorias olímpica na prova mais longa, com os tempos de 1 hora e 59 minutos e 2 horas e 20 minutos, respectivamente.

Em uma mostra de perseverança e dedicação, diversos atletas com algum tipo de necessidade especial também terminaram o circuito, e mostraram que a força de vontade supera qualquer dificuldade que a vida impõe. José Roberto da Silva Júnior, primeiro atleta amputado a concluir a prova, descreveu a sensação de concluir mais uma competição, chegando em primeiro em sua categoria. "O triathlon é minha vida, não existe pessoa mais feliz que eu nesse momento", afirmou. Outros campeões foram Fernandinho "Superação" e "Motorzinho".

Mas grande novidade da penúltima fase da competição foi a premiação extra concedida pela Federação Paulista de Triathlon (SPTri). Os atletas que préviamente haviam se filiado na Federação pela internet foram premiados com mais um troféu ou medalha, além de uma camiseta adicional. A entrega dos prêmios ocorreu paralelamente à prova, permitindo uma liberdade para os competidores, que a qualquer momento, poderiam buscar o troféu.

Tal fato chamou a atenção dos competidores, e mostrou ser um incentivo extra ao esporte, como falou José Ricardo Graça, campeão do Short Triathlon ocorrido em Ubatuba em 29 de junho, que recebeu o troféu da Federação Paulista na USP: "Isso incentiva a formação de uma equipe forte no estado de São Paulo, para quando formos para o Brasileiro, representarmos muito bem o nosso estado", disse.

Carla Moreno arrebatou com isso seu segundo troféu do dia, e José Augusto Azevedo Antunes, que ficou em 6º lugar no Troféu Brasil, venceu no masculino, superando os outros atletas justamente por estar federado.

sexta-feira, agosto 29, 2008

O ciclo se fecha!




+





=

:) x 1 milhão!!


Todo o esforço finalmente recompensado!

Quarta feira foi meu primeiro dia na EPTV. A emissora filiada da Rede Globo aqui na cidade de Campinas. Será um período de intenso aprendizado, e que começo, desde já, muito satisfeito.

Foi lá que encontrei, dois anos e meio atrás, meu ideal de trabalho. Na época, fevereiro de 2006, já era formado em Propaganda e Marketing e cursava meu 2o ano de Biologia. Após uma maravilhosa chance, tive a oportunidade de conhecer e ficar por duas semanas na redação da emissora e, por sorte, alocado na redação do Terra da Gente.

"Me encontrei, é aqui que quero trabalhar". Disse eu para o gerente de jornalismo da EPTV, Duílio Fabri Júnior.
"Infelizmente você não pode", foi a triste resposta.Indagado, queria saber o porquê, e logo descobri. Eu precisava ser jornalista para trabalhar lá.

Ao compreender isso, fiz essa promessa, que felizmente consegui cumprir, após muitas brigas de horários com a universidade, e cursando matérias em 4 turmas diferentes. Mas tudo deu certo. Em dezembro próximo, concluirei essa etapa.

E como o título diz, voltei ao início de tudo isso. Estou novamente na redação da EPTV, na redação do TERRA DA GENTE, e não satisfeito ainda, produzo um programa de TV sobre desenvolvimento sustentável, junto com meus colegas de TCC.

Estou muito feliz, E agradeço a todos que me apoiaram nessa decisão. Tardia para alguns, mas na época certa para mim.

Obrigado, de coração!


LARCF

sexta-feira, agosto 22, 2008

Piracicaba sedia múltiplas competições em um grande dia de provas

Pedalinhos na Lagoa da Rua do Porto - Piracicaba

A cidade de Piracicaba foi tomada por atletas nesse último domingo, durante a realização de mais um Short Triathlon Rua do Porto. Nessa 3a edição da prova, os esportistas puderam escolher dentre três opções, o caminho para alcançar a linha de chegada. Além do Mini e do Short Triathlon, já tradicionais do evento, um Duathlon oferecia aos atletas trocar os 700 metros de natação por 2K de corrida.
O dia amanheceu perfeito para a disputa, com um sol forte e sem ventos. Em clima de Olimpíadas, a primeira bateria foi dos atletas da distancia Mini, que nadaram 400 metros, pedalaram 5K e fecharam o circuito com mais 2K de corrida.
Em uma mostra de que as mulheres estão firmes na disputa, Deborah Franciscato, de Bauru, foi a primeira a sair da água, percorrendo os 400 metros da natação em apenas 4 minutos e 45 segundos. Juliana Pastori, de Sorocaba, também surpreendeu, sendo a segunda atleta a completar a distância com um minuto de diferença de Deborah. Elas obtiveram a 1a e 2a colocação, respectivamente, no pódio geral feminino do Mini.

As meninas fizeram bonito e saíram da água antes que os homens

Entre os homens. o vencedor foi Henrique Pereira, de Pirassununga, com o tempo total de 26 minutos e 49 segundos na distância total. Lucas Rossi, de Rio Claro, foi o segundo e Pedro Augusto, de Piracicaba, o terceiro.
Com o término do Mini, foi a vez dos atletas do Duathlon e do Short Triathlon tomarem suas posições, em terra e na água. O percurso, mais longo e cansativo, exigiu bastante dos competidores, que chegaram a reclamar da dificuldade no ciclismo. Guilherme Mansur, que ficou em 2o lugar na categoria de revezamento, afirmou que as subidas eram bem íngremes, e que sofreu para vencer o trecho.
No final, Thuanny Viegas de Oliveira, de Campinas, garantiu a vitória entre as mulheres, com o tempo de 1 hora, 10 minutos e 40 segundos. Silvia Helena Fusco, de Bauru e Bruna Saglietti Mahn, de Piracicaba, 2a e 3a colocadas, também tiveram seu lugar no pódio.
Em um ritmo forte e com um tempo de 1 hora, 2 minutos e 16 segundos, o conterrâneo Kelmerson Henri Buck ficou em primeiro, seguido bem próximo por Ciro Violin, de Leme, que cruzou o pórtico de chegada apenas 16 segundos atrás do vencedor. Edson Ferreira, de Águas de São Pedro, foi o 3o. Na 3a competição, o Duathlon, os vencedores foram Carlos Donizette Cardozo, de São Pedro e Andrea Regina Carpino Mansur, de Campinas.
Assim, após a prova, os participantes puderam saborear a vantagem de praticar o esporte no local, ao repor as energias nos diversos restaurantes da Rua do Porto, o belo ponto turístico da cidade, distante apenas uma rua da competição. Comer e relaxar observando o rio Piracicaba foi uma excelente idéia para dar como completa essa competição. Ano que vem tem mais!

LARCF

segunda-feira, agosto 18, 2008

Maratona CInematográfica de Sofá

Aproveitando raros momentos pós trabalho, aluguei alguns filmes para botar em dia minha sabedoria sobre a 7a arte. De quinta passada até hoje, aluguei 9 filmes!
Foram eles:

1a leva:

- Senhores do Crime (com Virgo Mortensen, o rei de O Senhor dos Anéis)

- A Ultima Hora (documentário de Leonardo di Caprio sobre o aquecimento global)

- Sicko - $O$ Saúde (documentário de Michael Moore sobre o sitema de saúde dos EUA)

- Across the Universe (a história de jovens na década de 60 cantada ao som das músicas dos Beatles)

- Cada um com seu Cinema (curtas de diretores consagrados homenageando o Festival de Cannes)

- Sangue Negro (do ganhador do oscar de melhor ator Daniel Day Lewis)

2a leva:

- Onde os Fracos Não tem Vez (ganhador do oscar de melhor filme)

- Nixon (com Anthony Hopkins)

- Timor Leste (documentário brasileiro sobre os conflitos ocorridos naquele país)

domingo, julho 27, 2008

Olha o que está acontecendo na Argentina!


Depois de muita demora, ao menos vi o pôr-do-sol dos não tão Buenos Aires




Eu cheguei ontem a noite de lá, após uma viagem exaustiva e cheia de atrasos!



O caos está tomando conta do Aeroporto de Ezeiza:


http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL702397-5602,00.html


Ia começar a escrever sobre minhas aventuras em terras Porteñas, mas acho que essa vale a pena ver antes.


Abraços!

LARCF



domingo, julho 13, 2008

Desorganização prejudica Meia-Maratona de Campinas

Pelo menos a medalha foi caprichada!



Em uma fria manhã de domingo, rumei para Joaquim Egídio para mais uma corrida, mais uma meia-maratona para o currículo. Tão logo cheguei e o sol logo deu as caras, tornando o local um lindo palco para uma prova de fundo. A largada foi no horário e, a partir dela, milhares de corredores travariam a batalha frente aos 21000 tortuosos metros do distrito de Campinas.

Ok, até aqui, descrevo o que parece uma corrida ideal sem percalços. Corri bem, fiz uma média de 4 minutos e 34 segundos por quilômetro, atingindo meu novo recorde pessoal nas pistas campineiras do distrito de Campinas: 1 hora, 31 minutos e 20 segundos.

Porém, diversas coisas nessa prova me desapontaram, me estressaram e praticamente tiraram o brilho de uma prova ideal, como aconteceu na Meia-Maratona do Rio de Janeiro, que corri ano passado. E todas essas coisas foram devidas à organização.

Discorro aqui a lista de críticas:

1) A entrega do kit do corredor seria feita um dia antes da prova, no Sábado, 12 de julho. Primeiro problema, no email recebido (ponto positivo), era informado “ Shopping Jaraguá Conceição”. Ora, que mal seria se o endereço do lugar estivesse descrito logo abaixo? Acabei rumando erroneamente para o Shopping Jaraguá BRASIL. E isso quase na hora do término da entrega.

2) Corrigi meu caminho e chegar no Jaraguá CONCEIÇÃO, minha surpresa! Ao pegar o kit do corredor, obrigam-me a escolher entre uma camiseta tamanho M ou baby-look! Como ainda não utilizo tal modelito feminino, questionei a bonita atendente do porquê então da necessidade da pergunta “Qual o tamanho da camiseta?” no site da inscrição para a prova. Se eu não vou ter a camiseta do tamanho que eu quero (no caso, P), de que adianta esse preenchimento?

3) Mas o mais ridículo ainda estava por vir. Após a discussão do kit, pergunto se o chip de cronometragem está dentro da sacola. E não é que a moça me fala que ele só será entregue no domingo, minutos antes da prova? “Meu Deus, para que então vim até aqui pegar o kit, se nele não vem o chip? Isso é ilógico”, digo à ela. Todas as centenas de chips estavam estacionados sobre a mesa, provavelmente com seus donos já longe após receberem a mesma informação.

Imagino, porém, que a moça percebeu o nível de descontentamento profundo que eu estava e, contra o sistema imposto a ela, me entregou o chip. Ainda bem, pois até aqui tudo estava errado, e desse jeito eu já começaria mal a prova.

4) Uma vez nela, esquematizei minha corrida para: 10K água + gel energético/ 15K água + gel, além de copinhos d’água esporádicos. Mas logo no 1o posto de re-hidratação, não sabiam me informar dali a quanto seria o próximo. Para quem planeja algo e não sabe o que irá acontecer, a frustração toma conta de mim. Mas no quilômetro 8 resolvo isso ao conduzir um copo de água por mais 1km, para me aproximar do plano de corrida estipulado.

5) Por fim algo que, como futuro jornalista, sinto a necessidade de fazer: o registro do evento. Apesar da grande e completa equipe da TVB cobrindo a largada e chegada, não vi fotógrafos ao longo da prova. Não se registrou nenhum sorriso, nenhuma cara de dor, nenhum suspiro de esforço ou superação. O registro da chegada só marca o fim de um tortuoso caminho de treino e capacidade. Uma pena que cada instante dos 21K não foram captados por lentes profissionais.

Enfim, pontos bons, pontos ruins. Se ligarmos o don’t worry, be happy, a prova foi tranqüila para mim, ainda mais com a conquista de um novo recorde. Se desligarmos o mesmo botão, sinto-me obrigado a criticar tamanha ineficiência para lidar com uma prova que de infra-estrutura pouco se exige e que, com um patrocinador de peso, dever-se-ia pensar mais na qualidade da prova.

11a Meia-Maratona Listel de Campinas 2008

Dificuldade: 8
Diversão: 8
Organização: 3

Até a próxima!


LARCF

quarta-feira, julho 02, 2008

Bolsa de canguru para a alma


Jura e seu companheiro de aventuras na Lagoa do Taquaral, em Campinas.

O sorriso constante de orelha a orelha revela uma quantidade razoável de intervenções ortodônticas, onde peças de metal e amálgama convivem em harmonia com o branco dos esmaltes dos dentes. Tal branco contrasta com a pele morena de um baiano, cuja face de alegria é traduzida em cada palavra articulada pelos pulmões e cordas vocais. A voz e suas características, suave e impostada, levemente rouca e com o sotaque nativo, me indicam uma deliciosa conversa sobre conquistas, superação e incontáveis alegrias.

Esse é Juracy Monteiro dos Santos, um negro de 42 anos e gênese do Quilombo de Parateca, um refúgio de ex-escravos da época colonialista do Brasil, localizado no município de Malhada, Bahia, na região do Rio São Francisco. Desde lá, as vinte e oito horas de ônibus, com paradas em Guanambi e Janaúba para a chegada na Rodoviária do Tietê, vão-se 21 anos. Deixados para trás, Mainha e Painho, apelidos carinhosos para Urana Rita dos Santos e Jaime Monteiro da Silva, além de mais vinte e um irmãos, trazem saudades e discretas lágrimas quando estes visitam, freqüentemente, o consciente do meu entrevistado.

Da meia vida já vivida aqui entre Hortolândia e Campinas, Juracy, como se encenasse o “milagre dos pães” descrito na bíblia, multiplica-se em muitos. Hoje ele é o jardineiro de uma grande universidade. Um trabalhador braçal que encontra no suor e na força física o ganha-pão da família, composta por Wesley, de 16, Douglas, de 15, e de sua rainha, Nilza Moreira da Silva. Hoje ele também é o aspirante de educador físico, que sacrifica as horas de descanso e integração com a prole para longas horas de estudo no período noturno. Mais ainda, hoje ele é o criador do projeto Choca (Criança Hoje, Cidadão Amanhã) que, com atividades culturais de dança, esportes e leitura, integra e sociabiliza crianças menos favorecidas de seu bairro e proximidades, em Hortolândia.

Para toda essa vida em um só, as poucas 3 horas de sono diárias contradizem a ciência, e são, inexplicavelmente, suficientes para o dia-a-dia do baiano. Mas, não satisfeito já com os muitos Juracys que criou, todos muito semelhantes a outros brasileiros, graças à triste realidade do país, ele criou mais um Juracy. O Jura do Pote, e tudo por causa de uma melancia.

Em suas idas e vindas de uma feira para comprar produtos frescos em Hortolândia, Juracy deparou-se com o dilema do excesso de compras, dentre elas uma avantajada e pesada fruta de casca verde clara e escura de conteúdo avermelhado e saboroso. Sem pestanejar, o filho de Mainha Urana equilibrou a melancia na cabeça, experiente das muitas cabaças e latas d’água já conduzidas no Quilombo, e seguiu viagem. Atenta a isso, a população fez do baiano a atração, o mico, a zombaria da feira. Revoltado com o fato, nasceu daí uma grande idéia de um dos homens mais dignos que já conheci. Nasceu o Jura do Pote, o atleta artista que mais atiça a curiosidade das pessoas nas provas de corrida Integração. Mas para que raios um homem corre com um pote na cabeça?

A explicação é simples. O pote tornou-se para Jura o símbolo máximo de todas as dificuldades, superações, conquistas, tristezas e, principalmente, alegrias. O mais recente, de formato ovalado e caracterizado com inúmeras cores que percorrem os profundos vincos do molde de barro, assemelhando-se a desenhos indígenas, foi observado e pesado por mim durante nossa conversa, e tinha exatos 6 quilos. Segurei-o e, após algum tempo com ele nas mãos, minha força foi vencida pela dor. Nem imagino então correr dez, quinze, vinte e um quilômetros de uma meia-maratona com o pote na cabeça. Mas Jura o faz, numa mistura de equilíbrio, concentração e força de vontade. E esse é apenas o peso físico do artefato. Ainda não descrevi o peso espiritual de tão significativa peça.



“Dentro do pote eu carrego todos os meus ancestrais. Toda a minha adolescência, minha infância, as pessoas que me colocaram no mundo. Então eu os reverencio, porque tenho certeza, estejam onde eles estiverem, eles me vêem com o pote na cabeça. E isso me traz uma energia muito boa” (nesse instante, um leve tapa de Jura na perna deste repórter demonstrava a exaltação e a alegria ao comentar de seu companheiro de barro).

Ainda segundo o baiano, o pote pode ter, simultaneamente, o peso de uma leve pena, “quando eu coloco o pote na cabeça, eu só consigo ver as pessoas rindo”, ou de um denso fardo, “quando eu não consigo, depois de 17 anos [da criação do personagem Jura do Pote], provocar mudança na cabeça de algumas pessoas, e elas continuam a olhar de uma forma preconceituosa”.

Em duas voltas rápidas pela Lagoa do Taquaral em Campinas, durante o decorrer da entrevista, percebo que estamos sendo observados a cada passo. Nós não, o Jura e seu pote. Sinto na pele, dessa forma, todo o significado do peso pena do pote (e o único que realmente tem valor para a vida), revelado nas corridas e passeios de Jura pela cidade. As crianças admiram-se. Os adultos questionam o motivo. Ele apenas sorri. Agora entendi, e tenho minha conclusão.

Mais do que tudo descrito e visto, tenho certeza que o pote pesa tanto quanto o coração do ex-quilombola. Jura do Pote é uma alma que se destaca e brilha entre muitas. De sua alegria e suor, brotam centenas de sorrisos. Tais expressões faciais provêm de orgulhosos rebentos, crianças e adultos, com laços de sangue ou de carinho, que tem a honra de passar, nem que por um momento, ou uma fração de segundo apenas, pelo caminho do filho de Jaime e Urana, pelos ensinamentos do Painho do Projeto Choca, pelos belos jardins do profissional Juracy Monteiro, pelas notas do estudante RA número 07405301, pelo maluco da melancia na cabeça da feira. Com seus poucos 1,65 metro de altura, Jura encosta a cabeça nas nuvens, quando seu pote desafia a gravidade e as coisas ruins da vida.

segunda-feira, junho 30, 2008

Bonito é opção de contato com a natureza

Pâmela Molina, aluna de turismo, segura uma jibóia em uma das atrações de Bonito


Cidade limita número de turistas por atração, como forma de preservação

A viagem de ônibus dura longas 15 horas de Campinas, no estado de São Paulo, até Bonito, no Mato Grosso do Sul. Passo parte dela dormindo, e a outra parte trabalhando, a colher imagens e depoimentos de um divertido grupo de estudantes de turismo, protagonistas de um futuro documentário da TV-Puc.
O bando não pára de cantar e fazer piadas, seja entre eles, seja da equipe de filmagem. Um bom começo de aventura em uma cidade famosa por suas atrações turísticas ligadas à natureza.
Ao chegar lá, sinto na pele um arrepio típico de dias de inverno. Estranho, pois a região é conhecida pelo seu calor. Porém, graças a uma informação equivocada recebida dias antes da viagem, arrumei minha mala com apenas um fino agasalho e, por conseqüência, mal consegui trabalhar devido à constante tremedeira, que tomou o meu corpo durante as gravações externas.
O guia e professor do grupo, José Antonio Scaleante, informa que quase todas as atrações turísticas de Bonito são privadas, ou seja, não estão nas mãos do governo. São empresários que administram a maioria dos passeios. Essa forma de turismo garante investimentos e preservação da região. A única exceção a isso é o Balneário, público, mas muito bem conservado.
Bonito tem uma característica que diferencia seu turismo dos demais roteiros do Brasil. Na cidade, visitantes, guias e agências de turismo baseiam sua programação no voucher único. Esse documento é o responsável pelo controle e limitações estipuladas em cada passeio. Com um número limitado de turistas em cada atração, mantém-se a sustentabilidade do local. Turista que chega em cima da hora e deseja visitar algum desses pontos, corre o risco de ter que voltar no dia seguinte.


Aluna de turismo em flutuação no Rio da Prata


Um desses passeios é a flutuação, que consiste em boiar e ser levado pela leve correnteza, rio abaixo, apreciando a bela fauna e flora debaixo d’água. Ele se inicia com uma trilha aonde, além de árvores típicas da Mata Atlântica, o turista se depara com macacos-prego, curiosos pela presença estranha em seu habitat, além de outros animais. Devido a fragilidade do ecossistema, o guia me instrui para não colocar o pé no solo do rio. Indra Götz, de 31 anos, a mais experiente do grupo de estudantes, descreve a beleza do local: “É ótimo, vimos peixes e filhotes, não dá pra imaginar que tivesse uma quantidade tão grande quanto essa”.
Os demais passeios são variados em dificuldade de chegada, mas todos de intensa beleza. A Gruta Azul, grande fenda nas formações rochosas, têm suas águas iluminadas em tons azulados quando os raios de sol penetram em seu interior. Para os mais aventureiros, passeios de bote que descem corredeiras, visita e mergulho em cachoeiras e até enrolar-se uma jibóia de dois metros são divertidas opções encontradas em Bonito. Ao final de tudo isso, compras de artesanato e souvenires da região, encontrados no centro da cidade, podem divertir os consumistas de plantão.
O guia, por fim, explica que a temperatura fria que o grupo enfrentou durante a estadia, acontece somente durante cinco dias por ano, aproximadamente. A equipe de reportagem pegou quatro deles. Quem puder visitar a cidade, então, tem a garantia de clima ótimo durante o resto do ano em uma cidade que é sinônimo de turismo responsável.

Confira mais lindas imagens desse paraíso na Terra.





LARCF

terça-feira, maio 13, 2008

O PEQUENO SEREIO

Mergulhador se prepara para seu checkout

Ah, o trabalho! Ação do ser humano que move bilhões diariamente de um canto para outro.
Há duas semanas atrás tive o privilégio de trabalhar da forma que mais gosto: viajando! Mas não somente uma simples viagem. Participei de duas aventuras incríveis, emocionantes, inesquecíveis. Sem mais tardar, vou descrevê-las agora.


Relax durante a viagem

Acordei às 4 da manhã para iniciar minha faina (gíria de mergulhador). Já estava no Guarujá (tinha descido um dia antes), e tinha perdido a agitada aula do Zanotti de segunda à noite.
Parti rumo à Santos. 


Balsa Guarujá-Santos

Atravessei a balsa (com poucos carros, mas com um número significativo de ciclistas) e procurei a “ponte dos ...” para encontrar o Eduardo (gerente da Diver’s University, de mergulhos técnicos). Não encontrei, já que ela não existia. O nome era um apelido dado para essa ponte, com vidros, que só depois de uma conversa com uma bonita e amigável garota de Assis (que estava lá para aulas de caiaque, corajosa!). Encontrei o Edu com sua galera, mais turma de futuros mergulhadores técnicos.




Instruções e preparação dos equipamentos


Embarcamos e navegamos no frio para 20 minutos mar adentro. Ancoramos em uma “península” e os mergulhadores começaram a trabalhar, de imediato. Jogaram os canos em que iriam trabalhar: aparafusar outra parte no cano, e depois flutuá-lo com um balão específico. Ralação das brabas.


Início dos mergulhos


Eduardo me instruía: “ você vai descer no 4o mergulho deles, pois a água estará mais clara”. Hahahaha. Quem dera. Quando eu caí na água, só não estava pior do que mergulhar de cabeça no Rio Negro, em Manaus, no Amazonas. Nunca vi uma água tão turva. Visibilidade: 1 PALMO!



Visibilidade: um palmo

Os ventos estavam fortes, a água começou a ficar muito agitada. Eu tentava registrar tudo com a caixa estanque...mas olha so o que saía...

Após o 6o mergulho do grupo, devido às condições desfavoráveis do tempo, o checkout do resto da turma foi adiado para o dia seguinte. Mas para não perderem a viagem, uma pequena natação de 800 metros, para esquentar (eu queria ter ido, mas um dos aspirantes à mergulhador pediu emprestado minha máscara). Todos partiram, de sunga e nadadeiras. Alguns voltaram pois estavam mareados.
Com o clima fechado e a pauta cumprida (com fotos e entrevistas com dois bombeiros do grupo), eu precisava voltar para a aula do Cheida (já perigo de faltas graças à Alemanha). Mas os céus seguraram a tempestade, e só soltaram-na quando eu já estava em Campinas. Fiz Santos-Campinas em apenas 3 horas. Um recorde que me rendeu uma multa em Cubatão por excesso de velocidade (acreditem, tem um radar que exige 50km/h!!!!).
Vivenciei como é dura e perigosa a vida de um mergulhador profissional. Acho que o Saiba + (jornal laboratório dos estudantes de jornalismo da PUC Campinas) terá uma excelente história para a próxima edição (modéstia a parte). Não perca!

E a seguir, Indiana Luis na terra Bonita. Um feriado de muito trabalho, frio, mas muita diversão!
Viagem à Bonito! Até a próxima!

LARCF


quinta-feira, abril 03, 2008

Quando a gente encontra coisa boa...

A gente transmite né?

Aqui está um blog digno de visitar. Ele tem o sorriso e a energia positiva da dona. Minha linda colega de faculdade Juliana Biscalquin. Futura jornalista, futura poeta? 



Abraços!

PS: beijão Jú. Adorei as poesias.

Luis

domingo, março 30, 2008

Trilha Sonora para curtir uma viagem

Depois desse período fantástico e cheio de aventuras pelo antigo continente, vou dar uma dica para as pessoas que pretendem passar looooongos momentos entre um lugar e outro.

Essas são algumas músicas que curti muito durante esses meus momentos de transição. Em trens, aviões, carros, ou simplesmente caminhando por Budapeste (que aliás no próximo post virá a descrição da cidade).

Elas são:

Gorillaz - Fell Good Inc.

Joss Stone - Super Duper Love

Maroon 5 - Sunday Morning

Juanes - A Dios le Pido

Dave Matthews Band - Crash e Two Step

Circuladô de Fulô - Pedacinho de Papel de Pão

Jota Quest - Além do Horizonte

Oasis - Don't Look Back in Anger


E logicamente existem mais centenas, milhares de outras maravilhosas, mas essas são as que estão aqui na minha cabeça nesse exato instante.

Curtam!

Um abraço
LARCF

sábado, março 22, 2008

OLHA O SELF-MERCHANT....

Prezados leitores, creio que não tive a chance de publicar aqui uma das reportagens que fiz para a faculdade, por favor, ficaria imensamente feliz se dessem uma olhada!

GERAÇÃO VIDEOGAME


Valeu!

LARCF

Network Week!!

Tive nessa semana que passou grandes experiências para meu futuro profissional. Assim como os debates da BBC Brasil na semana anterior, nesta viajei novamente para SP (viajei é ótimo, pois moro a 100km de lá) e fui visitar na terça feira a Editora Abril, mais especificamente a redação da revista Bons Fluidos. Eu e meus colegas chegamos 1 hora antes, e esperamos na grande praça de alimentação do edifício.

Na hora certa, subimos e fomos nos encontrar com a Beth Volpi, redatora-chefe da Bons Fluidos. Praticamente em sintonia com a revista, Beth tem uma fala zen, e com toda essa tranquilidade foi nos explicando como é o proceso de edição da revista, como organizam os releases que recebem das diversas assessorias. Um ótimo aprendizado.

Após isso, estávamos sedentos para conhecer o resto das redações. Porém, como são dezenas e dezenas e revistas, escolhemos algumas. A 1ª após nossa inicial foi a inovadora revista Gloss, com seu formato europeu. Entramos na caruda, com a ajuda de Beth (que passou o cartão dela na porta, liberando o acesso), e conversamos com a simpática Sandra Soares, editora de comportamento.

E não é que a sorte bate de repente? Uma das meninas do grupo encontrou a namorada do primo, que trabalha no local. Ela nos emprestou seu cartão, e com esse FREE PASS rumamos para nossas outras desejadas. Visitamos a revista Viagem, onde conversamos com Elaina Ianicelli, editora de arte. Na National Geographic, falamos com o editor-chefe Matthew Shirts, o qual tive a oportunidade de conhecer ano passado, na 24ª Semana Estado de Jornalismo. Passamos pela imensa redação da Veja, onde trocamos idéias com Valdécio de Oliveira, editor de arte da Veja SP e ,por fim (como ninguém é de ferro) fomos para a redação da Playboy. Sim meus leitores queridos, Kika Paulon, editora visual (é ela que acompanha todas as peladonas) nos contou segredos secretos dos bastidores da revista, hehehe. Vocês têm curiosidade em saber? Além disso, ganhamos uma grande quantidade de revistas do grupo.

Um passeio realmente engrandecedor, e tenho que agradecer também aqui a iniciativa de minha professora Ciça Toledo, que nos incentivou a insistir e dar as caras por lá.


Já na quinta-feira também peguei meu carro e fui para SP, dessa vez na outra marginal, a Tietê. Entrevistei o crítico de cinema do Estadão, Luis Carlos Merten, e descobri um cara apaixonado pelo que faz (pra vocês terem uma idéia, olhem o blog dele, atualizado diversas vezes durante um único dia, dêem uma lida aqui). O cara é simplesmente VICIADO em cinema, e traduz isso com grandes críticas. Nosso papo de mais de meia-hora rendeu um grande aprendizado também.

Enfim, acho que o que posso sugerir para meus queridos leitores: DÊEM as CARAS. Se pintar uma grande oportunidade, não deixem ela passar simplesmente pelo medo do chefe não liberar ou perderem alguma aula na faculdade. Isso que aconteceu comigo só aumenta meu network, e é isso que vale na nossa vida profissional. Você pode não gostar de um emprego. Se tiver um bon network, você com certeza arranjará um melhor rapidinho.

Tenham um excelente domingo e até o próximo post!

LARCF

quinta-feira, março 13, 2008

BBC Brasil faz 70 anos e celebra com debates acalourados

Acabo de voltar de dois interessantes dias de debate na sede da BBC Brasil, em São Paulo.

Os eventos ocorreram em comemoração dos 70 anos de transmissão jornalísticas da BBC no país, tendo sua primeira transmissão datada de 1938.

Nos dois dias de debate, jornalistas especialistas em diversas áreas discursaram e responderam as perguntas de um público de estudantes e outros profissionais da área.

A 1a palestra, ocorrida ontem pela manhã, teve o tema: O gigante Vizinho: O Brasil na América dso Sul, e teve como debatedores:

- Carlos Chirinos, correspondente da BBC mundo
Vindo diretamente de Caracas, onde cobriu toda a crise Equador - Colômbia, disse que o presidente Lula se tornou a marca brasileira, por seu carisma, e assim conseguiu promover uma aproximação da América Latina.
Quando uma crise deflagra na A. L., os olhos se viram para o Itamaraty. "O que ele irá fazer?". Essa é a pergunta dos outros países.

- Carlos Pagni, colunista argentino do La Nación
Discursou sobre a dificuldade da interpretação do "outro" (o Brasil), devido a diferenca de línguas. A Rivalidade dos países também foi pauta para seu discurso. Mas ele diz que o Brasil é um país digno de se compreender, principalmente sua cultura (com a Bossa Nova, por exemplo - contato com a sociedade). Ele ainda comentou da força da moeda brasileira, e do plano econômico que já dura 14 anos.

Jonathan Wheatley, correspondente do Financial Times
Falou sobre a polivalência brasileira e sua constante mudança, ora boa, ora ruim, mas ainda assim rumando para um crescimento.
Porém o Brasil algumas vezes é visto pelos olhos externos como suscessivos fracassos, devido por exemplo a não obtenção de uma cadeira no conselho de segurança, ou das negociações com a China.

Ricardo Seitenfus, especialista em Relações Internacionais
Discursa que o Brasil sempre se baseia na idéia de açõs para que "a América Hispânica não se una contra nós", e que os aliados econômicos do Brasil são, realmente, apenas:
Chile na A. L.
E.U.A na A. do Norte
Alemanha na Europa
Japão na Ásia
O Objetivo do Brasil é manter a situação sob controle.
Ao contrário do que Jonathan Wheatley discursou, Ricardo diz que "O Brasil está na moda", e é visto com bons olhos pelo mundo.

Continuo daqui a pouco...

quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Vivendo o instante e optando pelo AGORA!

Engracado, em meu ultimo post escrevi de uma forma tão decidida a minha rota de viagem. O rumo era: Berlin - Budapeste - Sarajevo - Lubiana e de volta a Berlin.E o que o momento muda enquanto teclo para vocês? Praticamente tudo, graças a um PEQUENO detalhe.

Casa de banhos em Budapeste

Um visto para um certo país me obrigou a alterar totalmente o roteiro de viagem (futuros viajantes, já alerto, é necessário visto para a Bósnia). Assim, de Budapeste fui obrigado a rumar para o norte, com novo roteiro de viagem. Fui para Bratislava, na Eslováquia, onde fiquei por algumas horas (acreditem, é mais do que suficiente para conhecer a cidade inteira).

Placa avisando sobre escultura inusitada na Eslováquia


De lá, fiz uma conexão em Viena, na Áustria, para Trieste, na Itália, no melhor trem noturno que já tive, com direito até a café da manhã!

Gaivota Triestana


Trieste é a típica cidade italiana. Linda, com esculturas e detalhes em todo seus cantos. O interessante é que, por ser uma cidade litôranea, ela tem os ares portenhos (nao da Argentina, portenhos de porto mesmo!), com belas igrejas, além da GROTTA GIGANTE, uma caverna subterrânea de milhões de anos atrás. Pena que a garoa constante e a neblina ofuscaram o que seria um belo dia.

Estação de Trem em Postojna - Eslovênia

Novamente, rumei no mesmo dia para Postojna, na Eslovênia (a única, tirando Budapeste, que restou do roteiro original). Essa sim foi impressionante. Visitei sua caverna também (muito maior que a de Trieste), com direito a trenzinho no estilo montanha-russa para o interior.
Além da caverna, ainda aluguei uma bike e pedalei no frio por 10 quilômetros, subindo e descendo morros, rumo a um castelo construído dentro de uma gigantesca caverna! Ele em si não e tão excepcional, mas creio que o jeito pelo qual decidi chegar lá (pedalando e não de ônibus ou carro) é que valeu toda a experiência. Companheiros de pedal, senti falta de vocês!

E finalmente, cá estou eu em mais um albergue, dessa vez em Lubiana, Eslovênia, SEM estar hospedado, já que descobri que o único trem que ruma a Berlin parte hoje a noite...então esse entra e sai de trem vai continuar mais um dia.

Amanhã chego novamente na amada Berlin (uma paixão relâmpago de apenas 50 dias), e depois de volta a Verde-Amarela terra Natal.

Espero que tenham se divertido com minhas aventuras, e que tenham também ficado com vontade de viajar (assim quem quiser pode me chamar como guia turístico, fiz isso com dois amigos para a Suécia e Polônia e recebi nota 10, hehehe), e que continuem acompanhando esse rapaz cheio de energia, pronto para conhecer o mundo e todos que vivem nele.

Obrigado pela atenção de vocês, um grande abraço, Auf Wiedesehen (tenho que fazer valer o curso), und Bis Bald!

LARCF, da Eslovênia!

sábado, fevereiro 23, 2008

Última semana de estudos - Rumando para a Europa Oriental

Com o final de minha jornada de estudos por Berlin, uma das cidades mais atrativas em termos de cultura, sinto-me preparado para esse último ano de intenso estudo na faculdade. Quando olho para esse período que deixei para trás: o calor das praias e de minhas amizades brasileiras, minha família e meu trabalho, vejo que viajar é viver a vida com todas as suas letras, e que esse curto momento de saudade logo acaba, para um novo ciclo de incríveis experiências e novos contatos - tudo e NETWORK!

Honrando minhas próprias palavras, volto dia 1o de março, e nessa proxima semana visitarei o lado oriental da Europa. Planejo ir para Budapeste, Bósnia (outro local que transpira cultura e historia, com seus conflitos e a ponte onde a 1a Guerra Mundial começou), além da Eslovênia, onde planejo uma exploração em suas cavernas fantásticas.

Entao por mais uma semana, auf Wiedesehen, und bis nezte Woche, quando estarei com os pés novamente na terrinha natal.

E finalizando, divirtam-se com mais uma saborosa coincidência que aconteceu aqui.


Músicos tocando "brasileirinho" no metrô.




Ate mais!

LARCF

domingo, fevereiro 17, 2008

Madonna dirige filme sobre os caminhos da vida


Madonna debuta em seu primeiro filme como diretora em ´Filth and Wisdom`, ficcão que trata sobre a vida cotidiana das pessoas e como seus caminhos e rotas permeiam o ´certo e incerto` para atingir a satisfacao e a plenitude.

O personagem principal (Eugene Hutz), um irlandês que tem como renda satisfazer os prazeres masoquistas de homens ditos como comuns, conta a história das vidas miseráveis de seus vizinhos de apartamento, que variam entre: uma bailarina que passa a dancar em clubes de strip-tease para ganhar dinheiro; sua amiga, uma garota que trabalha em uma farmacia ao lado de um indiano cujo único prazer é sentir o perfume do casaco de sua colega profissional, e um escritor cego que nao mais consegue escrever. Todas essas vidas convergidas em um edificio e em uma linha do tempo que permeia entre: o que é necessário fazer de errado, imoral ou obscuro (Filth) para que finalmente a sabedoria seja atingida.

O filme é conduzido de forma interessante e pelo protagonista, e a atuacao de Hutz é um ponto a se notar. Divertida, única e pontual.

Apesar de um final feliz chavão (todos ´praticamente` vivem felizes para sempre), o filme é uma ótima opcao de entretenimento. Madonna está de parabéns.

PS: um detalhe, minutos antes a exibicão do filme, foram anunciados os vencedores do festival, dentre eles o grande ganhador do Urso de Ouro TROPA DE ELITE...e esse repórter que vos fala sentiu-se honrado, e gritou bem alto o nome do Brasil. Mesmo longe da terrinha, orgulhoso de ser brasileiro!

sexta-feira, fevereiro 15, 2008

Aquecido pela cultura no coracão da Europa

A história que vou contar agora comecou a algumas semanas atrás, mais precisamente quando aterrisei no aeroporto internacional de Berlin, na Alemanha, para um período 50 dias de aperfeicoamento do meu alemão. Enquanto escrevo esse texto, relembro-me de uma simples aposta que fiz com meu pai, e o gigantesco rumo que ela tomou em minha vida. Apostamos que, caso eu conseguisse aprender alemão, viríamos para cá assistir a Copa do Mundo de 2006.

Dois anos depois da seleção canarinho novamente ser freguesa de Zidane e Thierry Henry, tenho de novo meus pés no país onde bombas aliadas destruíram edificios na 2a guerra mundial, no local no qual muros da discórdia foram erguidos e, quando derrubados, uniram novamente a nação. Estou na terra onde os carros respeitam as ciclistas e os pedestres a faixa de trânsito. Que saudades que eu estava da Alemanha.

Distante dos dias quentes e amistosos do verão e do carnaval brasileiro, vivi em uma cidade na qual sair sem ao menos 2 agasalhos, luvas e cachecol definitivamente não era uma opção sensata. E tudo isso para aprender uma língua não muito familiar no Brasil. Mas a fluência no alemão não foi o principal aprendizado aqui, e sim a overdose de cultura que me rodeou e seduziu 24 horas por dia, 7 dias por semana.

A Alemanha é um congregado de raças, cores e crédulos, de pessoas de todos os cantos do planeta. Um exemplo disso era minha sala de aula, onde diariamente se esforçavam para aprender o complicado alemão: um web-designer da Itália, um rapaz da Finlândia, uma diretora de cinema da Inglaterra, uma estudante da Holanda, um jovem da Suécia e outro da Suíca, uma executiva da Rússia, um desenhista da Irlanda, uma fotógrafa dos Estados Unidos, um professor de educação física de Israel e eu, um publicitário e aspirante à jornalista. A cada dia de aula, um pouquinho de cada um desses países era colocado na lousa, e todos podiam adquirir mais experiência de vida com nossas conversas em alemão.

Berlin ´pulsa` cultura a cada instante, em cada esquina, museu, biblioteca, estação de metrô ou trem. Pelo 58o ano consecutivo, a cidade sediou o seu Festival Internacional de Cinema, A Berlinale e, com a estréia internacional do filme Tropa de Elite, foi a minha vez de oferecer a cultura do Brasil para os alemães. Conversei com os espectadores, que aprenderam comigo e com o Capitão Nascimento a dura realidade das favelas do Brasil.

Vivendo no coracão da Europa, também tive a oportunidade de tomar trens e vôos baratos para visitar países riquíssimos culturalmente, mas que geralmente não se encontram nos mapas e roteiros de turismo das agências de viagens brasileiras:
- Na República Checa visitei Praga, dona da mais bela arquitetura da Europa, que remete aos séculos XVIII e XIX, e terra natal de um grande pintor desconhecido pelo Ocidente, chamado Alphonse Mucha;
- Na Polônia, conheci a capital Varsóvia e também Auschwitz, o antigo campo de concentração nazista, que celebrava 63 anos de sua libertacão justamente no dia de minha visita;
- Na Suécia troquei o confete do carnaval brasileiro pelos flocos de neve, que caíam incessantemente e que pintavam de branco o gramado do Estádio de Estocolmo, palco do 1o título mundial da selecao canarinho em 1958;
- Na Irlanda torci pelo Brasil em um amistoso sem sal, mas descobri que o país em muito se assemelha ao nosso, principalmente com a alegria do povo que, assim como os alemães, adora uma cerveja.

Com o final de minha viagem, finalmente vejo o grande vencedor daquela aposta de anos atrás: meu pai. De agora em diante, ele terá um filho que experimentou a vida de um povo moderno, com os pés no futuro e que, além de fotos, filmes e presentes, trouxe de volta para o Brasil um pouquinho mais da cultura do mundo. Como dizem no futebol, precisamos jogar Fair Play.

Auf Wiedesehen und bis Später! (Até logo!)

quinta-feira, fevereiro 14, 2008

Semana Cultural em Berlin com o Funk do Brasil

Realmente aqui em Berlin não dá para ficar parado. O que é muito bom. Estou aprendendo muito com a explosão cultural que se dá todos os dias ao meu redor. E a noite de ontem foi mais um grande exemplo disso. Desde a semana passada rola em Berlin a Berlinale, o Festival Internacional de Cinema.

Nessa sua 58a edicão, os ânimos estavam exaltados, pois grandes filmes de grandes artistas tiveram sua premiere no Berlinale Palast, o grande palco para as exibições. O filme inicial foi o documentário sobre os épicos cantores dos Rolling Stones, Shine a Light, do vencedor do oscar de 2007 Martin Scorcese. Tive a chance de me apertar dentre os fãs nesse 1o dia de Festival, e pude conferir a gravata verde e amarela de Mick Jagger, dando um tom brasileiro para o evento. E nesse ano, o Brasil trouxe grandes produções para a exibição para o público europeu. Tropa de Elite, Cidade dos Homens, Maré, Nossa História de Amor são alguns exemplos.

Como nao poderia deixar de conferir as impressões européias sobre o filme de maior destaque nas terras brasileiras, corri atrás de ingressos para o Elite Squad ou Elitettrupe, nomes internacionais do nosso Tropa de Elite. Apesar de treinar minhas habilidades jornalísticas, não poderia deixar de homenagear minhas origens, e fui com a bandeira do Brasil junto para a sala de cinema.
Com ingressos esgotados dias antes, minha última esperança era o lote liberado a apenas meia hora antes de cada exibição. Fui um dos últimos a conseguir ingressos para a sessão, que já atrasava 2 minutos. A sala estava lotada. Sem um local vazio.

A bandeira deu resultado, pois o apresentador, que canta o nome do filme e do diretor antes de cada apresentacão, veio até mim para garantir se sua fala estava ´Alles in Ordnung`. ´É com "E" no final, não?` e ´Rosé ou José Padilha?`.

Com a sala cheia, fui obrigado a desfilar com a bandeira pelo local, tentando em vão achar dois lugares (pois levei meu colega de quarto mexicano para a sessão). Por sorte, foram colocadas atrás da última fileira de poltronas algumas cadeiras parecidas com cadeiras de diretor de filme, e meu lugar ficou bem ao centro do salão. Nada mal!!

Ao meu lado um alemão, estudante de cinema, estava bem ansioso para ver o filme. Pude sentir sua ansiedade , e também a reação do público, logo no início com a grandiosidade da cena do baile funk na favela. Com o ritmo frenético do filme, ouvi um ´Great Beginning` do meu vizinho de cadeira. Era só o começo.

Conforme Tropa avanca, sinto o público assustado. Todos abismados e pasmos com a visão de uma realidade muito conhecida por nós brasileiros, e totalmente desconhecida por eles. A multidão gargalha, porém, quando o Capitão Nascimento , revendo o conceito de estratégia em todas as línguas (inclusive em alemão), entrega uma granada para o 05, dizendo que ele irá explodir a todos se dormir novamente. Mas as risadas param por aí, logo após, a tensão volta a tomar conta do ar.

Ao final do filme, entrevisto o alemão. André se diz chocado com as cenas e que é dificil de acreditar nessa realidade, mas que o filme foi muito interessante (confira sua entrevista aqui, em inglês.

Também pergunto para outra mulher sua opinião, que se assemelha com a de Andre. Pelo visto, o filme de grande impacto conseguiu seus objetivos, mostrar essa realidade para pessoas que nem de longe conseguem enxergar o que acontece em um país distante. E eu, realizado por ter conseguido assistir o filme em terras alemãs, volto para casa com a certeza de um trabalho realizado.

Até a próxima!

sexta-feira, fevereiro 08, 2008

Brazil X Irlanda em Dublin

Comeca mais uma aventura futebo-jornalistica! Nessa inusitada jornada, fui torcer em meio aos Leprechauns (tradicionais seres do folclore irlandes).
Confira aqui o passo-a-passo de uma aventura inesquecivel, somente para ver a selecao canarinho (e como sempre, valeu a pena).

- Quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008, 7:20 da manha:
Saio do meu dormitorio no campus da escola de alemao e me dirijo a estacao de metro. Parece que o dia vai chamar a chuva. Espero que na Irlanda o Sol de as caras.

- 7:34: ja estou a espera do trem para o aeroporto. O sistema de trens daqui funciona mesmo!

- 8:27: Chego ao Aeroporto de Berlin: Schonefeld.

-9:42: O aviao decola para um voo tranquilo, com ceus azuis e convidatios. Diferente das outras viagens da Ryanair.

- 11:22 (hora local de Dublin): espero o onibus 16A, que me levara ao centro da cidade.

OBS: uma coisa que eu nao sabia. Pensei que na Irlanda se utilizasse A Libra Esterlina, mas usa-se o Euro, entao quando vier para ca fique com seu dinheiro europeu.

- 12:10: Chego no centro da cidade e logo ja me socializo com os brasileiros que vivem aqui. Cristiana, uma vendedora, ja me ajuda a tentar vender o ingresso extra que eu tenho para o jogo.

- 16:10: Finalmente apos dar uma rapida passeada pela cidade (um serio problema para os paos duros como eu: a maioria das igrejas e catedrais exigem o pagamento de uma entrada, que gira por volta dos 5 euros). chego ao estadio. Mas tenho um serio problema agora, pois nao encontro o local para trocar meus ingressos.

-16:42; Finalmente apos 3 voltas na regiao do estadio, encontro a discreta e escondida bilheteria da Tickemaster. Para quem necessitar algum dia, ela fica na North Circular Road. Agora 'e so esperar pelo jogo (e vender o ingresso extra).

- 19:50: Com o ingresso vendido para uma jovem brasileira chamada Juliana (que esta em Dublin trabalhando como Au Pair) partimos para a torcida para a selecao canarinho! Vamos la Brasil!!.

- 20:20: Sem motivo algum, sou ''atacado'' por uma forte dor de cabeca, que se prolonga ate os 10 minutos do 2o tempo...pelo menos acabou antes do...

- 21:00 GOOOL do Brasil... Robinho marca um lindo gol, para acabar com o marasmo de um jogo sem grandes jogadas.

- 22:00: O brasil fatura o jogo, e agora ando errante em direcao a algum bar. Precisso provar a tao falada Guiness.

- 23:50: E isso que e o mais inacreditavel dessas viagens. Acabei de conhecer Ava e sua filha Suzanne. Elas me contam historias interessantissimas sobre a Irlanda e suas vidas. E ainda me pagam 10 euros como saudacao irlandesa para estrangeiros. Sendo assim, tomo o onibus para o Aeroporto de graca (10-7= dinheiro para um chocolate quente).

- 00:10: Chego ao aeroporto para uma graaande espera. ate 6 da manha. entao me arranjo nos cantos para sonecas mal dormidas ate la...

- 6:20: Apos dormir apenas 2 horas, parto para Berlin novamente, em meio a adolescentes fervilhando seus hormonios no aviao, que novamente, viaja com turbulencias e uma pessima aterrissagem.

-7 de fevereiro de 2008 11:05: entro para a 2a aula, onde todos aplaudem a peregrinacao maluca que fiz. Valeu cada segundo...

Suécia - Trocando o confete pelos flocos de neve

Aproveitando esse raro momento de vir à Europa, continuo minha peregrinacao pelos ´países-que-provavelmente-nuca-mais-visitarei`. Desta vez a localidades escolhida foi a Sécia, terra das Loiras.

Após uma turbulenta viagem pela cia. aérea mais barata do mundo (em todos os sentidos que vocês possam imaginar, creio que até no quesito piloto barato) chegamos ao distante aeroporto Skavsta NYO, a 100 km de Estocolmo, nosso destino final.

Um pequeno detalhe que nao comprometeu, mas atrapalhou um pouco nossa visita foi a distância que nosso albergue ficava do centro da cidade. Como chegamos a 1h da manha, nada estava aberto, ou quando estava, o dono do estabelecimento nao falava ingles. Apos muita andanca, chegamos finalmente ao distante e caro (30 euros a noite), mas muito confortavel Bed and Breakfast, aonde dormimos em uma das mais aconchegantes camas da Europa.

No outro dia, comecamos nossa caminhada em busca das belezas suecas. CALMA! Não estou falando somente das loiras que dominam o local, e sim dos pontos turísticos interessantes da capital.
Pelas ruas de pedra, as lojas de suvenirs atraíam os turistas, com presentes típicos do país. Na parte antiga da cidade, visitamos o castelo e a bela catedral de Estocolmo. Construída a mais de 700 anos, ela passou por uma reforma durante o período para tornar-se ainda mais monumental. Dentro, uma bela escultura de Sao Jorge, e um candelabro suspenso que exaltava a serenidade do local.

Pegamos um barco que corta os amplos canais da cidade (me senti em Veneza) com o mesmo ´Day Ticket` (90 coroas, +- 9 euros) que utilizamos para o trem e metrô. Chegando do outro lado, tínhamos uma infinidade de museus para escolher, já que Estocolmo é uma das cidades com mais museus por km quadrado do mundo. Escolhemos entao o museu das armas (Armeemuseum - 40 coroas, fica na Riddargatan 13, 11435 Stockholm).

O local conta a história da guerra e suas ´ferramentas` desde seus primórdios, enfatizando muito as guerras no período medieval, onde a Suécia tinha grande participacao. O país, porém, é marcado por diversas derrotas nessas guerras.
Um passeio com belas imagens e boa história. Vale as 40 coroas.

Nesse mesmo ainda caminhamos para o estádio onde o Brasil, a 50 anos atrás, ganhou seu 1o caneco. Mas com todos os portoes fechados e um com o anoitecer
proximo (mesmo às 4:30 da tarde), tiramos fotos somente do lado de fora (essa historia nao acaba aqui, continuem lendo).

Voltamos para casa para nos prepararmos para a noite Sueca. Após atravessar, entramos no Laroy, uma casa noturna que nos recomendaram. Porém um de nossos amigos foi retirado pelos segurancas, devido ao seu alto grau de indisciplina resultante de alguns muitos copos de wisky. Infelizmente, saímos juntos, e após muita briga, conseguimos entrar em outra casa noturna, gracas a simpatia do seguranca iraquiano que adora futebol e o Brasil.
Dancamos até as 3 da manha, quando as luzes simplesmente se acenderam e deram fim a balada de todos no local. Na volta para o hotel, caminhamos em meio da neve que caiu incessantemente até o dia seguinte.

No domingo, após tomar café e rumar para o centro, decidi sozinho voltar ao estádio. Novamente fechado, andei, andei e rodei todo o local, até descobrir uma fresta no antigo portao de mais de 50 anos.
Apesar do local movimentado (o estádio é quase no meio da cidade), esperei 30 minutos para minha sorrateira entrada. Com a rua vazia, joguei minha mala por cima da grade e passei pelo vao, e lá estava eu, rumando para o historico local.


Ao subir a arquibancada, me deparo com o verde do gramado totalmente coberto pela branca neve! Uma visao maravilhosa e inesquecivel, que registrei incessantemente com minhas cameras. O curto e ilegal momento que eu imaginei tornou-se longo e proveitoso. Entrei no campo, na tribuna de honra, coloquei nossa linda bandeira exposta para todos (ou ninguém). Filmei tudo que podia (confira algumas partes aqui).

E para finalizar essa viagem, reencontrei meus amigos e fomos jantar em um local muito interessante, que vale uma dica para os próximos aventureiros do país da neve.
O local se chama Kungshallen, e fica na Kungsgatan 43, próximo ao Concert Haus. Nesse inusitado restaurante você pode escolher entre 15 tipos de cozinhas das mais diversas partes do mundo. Mexicana, Malasiana, Grega e 12 outras, para um refeicao relativamente barata (até 10 euros) e muito saborosa.

Proxima viagem: Irlanda, para o jogo do Brasil!!! Mais uma vez com a selecao!

Até mais galera!

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

Polônia - AUSCHWITZ


Ha muito o que falar sobre Auschwitz. As palavras, porém, se perdem junto aos flocos de neve que caíram nesse dia frio de visita ao maior campo de concentracao nazista da 2a Guerra Mundial.


Visitei o local um dia muito importante. No dia 27 de janeiro comemorou-se o 63o aniversário da libertacao do campo de Auschwitz pelas forcas aliadas. Com isso, tive a honrade presenciar algumas homenagens, como esta que voce confere no vídeo abaixo.



Um violinista tocando para Auschwitz

Um local incessantemente lavado com o sangue dos milhoes de judeus mortos, Auschwitz remete aos seus visitantes um sentimento de dore tristeza, e que tento mostrar nas fotos abaixo. Publico-as sem nenhuma legenda, pois as fotos pintadas com o branco da neve tomam a funcao das palavras. Definitivamente, este é um local que deveria ser visitado por todos os seres humanos do planeta, para um momento de reflexao sobre a importancia da vida.



Neve em Auschwitz - 27.01.08

Luis Corvini Filho

Semana de 21 a 25 de janeiro - Grüne Voche e Cinema em alemão...WAS??

Quantos gramas, senhor?

Uma grande feira com comidas, petiscos, temperos e especiarias de todos os cantos da Europa (e da China também). Essa é a Grüne Woche, uma gigantesca feira que acontece anualmente no mês de janeiro em Berlim. Em sua a edicao, a feira reuniu diversos países, com degustacoes de vinhos alemaes, queijos suicos, sorvetes italianos e outras ´delicatessen` dos arredores.

A parte mais interessante da feira era com certeza a de produtos italianos. Um dos vendedores cantava animadamente ´Neu blu di pinto de blu` e divertia a todos.
Confira uma de suas performances nesse link.


Outra parte interessante de minha semana foi a experiencia de ver um filme em alemao, com o detalhe de nao saber falar essa lingua direito. Fui ver PS: Ich Liebe Dich (para os romanticos de plantao, essa é a frase em alemao para Eu te Amo, entao podem dar ctrl+c ctrl+v). O filme é muito interessante (pelo menos o tanto que eu entendi), mas nao vou me arriscar a recomendá-lo, já que talvez ele em sua lingua original nao seja tao interessante, hehehe.

Bom, em seguida, POLÔNIA e AUSCHWITZ.
Thuss und bis bald!!

segunda-feira, janeiro 28, 2008

Praga: uma viagem ao delicioso passado europeu


O que voce estava fazendo às 4:53 da manhã do dia 19 de janeiro?

Provavelmente dormindo. Pois bem, nessa fria madrugada eu rumava para a República Checa, em uma viagem de 5 horas rumo à Praga, uma cidade que remete ao passado.

Se já estou penando na Alemanha com uma lingua dificil, imagine-se em um país com raízes russas, onde mal ingles se fala...entao...assim é Praga. Mas apesas da dificil comunicacao, ela nao é impossivel, e com a hospitalidade de alguns habitantes tive uma agradavel e divertida estadia, comecando pelo albergue: Zcheck Inn (parodiando Check In com Czheck Republic).


Localizado a 12 minutos aproximadamente de uma das estacoes de metro da cidade, o local em nada se parece com um albergue vagabundo, muito pelo contrário. Com um excelente atendimento (falando ingles), um otimo cafe de manha (1o dia com desconto) e confortaveis quartos, posso considerar o melhor albergue que já fiquei em minhas peregrinacoes em busca do conhecimento do mundo.

Praga: como posso descreve-la? Uma cidade com ares do passado? Onde o seu fraco dinheiro nos permite pequenas regalias como uma camiseta do time de futebol local (já ouviram falar do AC Sparta Praha? Nem eu).

Enfim, comecei minha caminhada e nao parava de fotogravar e filmar a cidade. Com uma fria temperatura, cruzava com diversos turistas, mas nao em quantidade suficiente para me incomodar, ou seja, um otimo passeio.
Durante o sábado caminhei pela cidade antiga, onde filmei o badalar das horas diante da igreja com o famoso relógio construido em 1410 (um dos pontos turísticos de lá)e que mantém seu mecanismo original. A cada hora exata, um boneco representando a morte aciona um carrilhão por onde pequenas portas acima do relógio se abrem e revelam esculturas dos 12 apóstolos. Ao final, um galo de ouro cacareja e anuncia o fim do pequeno show, e toda a multidao ri.

Próximo dali, me deparo com uma exposicao de fotografia da imprensa checa. Que sorte a minha, e passo boas horas dentro dela apreciando o conteúdo jornalistico da captura do momento correto.

Mas se voce pensa que em Praga, uma linda cidade europeia, nao existem pessoas que querer sacanear as outras, pense novamente. Na entrada dessa exposicao cruzei com duas garotas que abordavam passantes pedindo uma assinatura para um certo abaixo-assinado. Nao entendi direito, e realmente dei uma de idiota e assinei o papel. Em seguida, a garota me pergunta quanto de dinheiro eu ia doar para a causa. Sem saber, pegue uma nota de 5 coroas checas (=1/5 de euro) e logo que abri a carteira, a outra garota me pediu novamente a assinatura. Aí é que esta a picaretagem. Ela cobre minha mao na qual seguro minha carteira, e sinto um suave puxao pegando minhas outras notas. Dá pra imaginar uma coisa dessas, garotas razoavelmente bonitas, aplicando o golpe em todo mundo. Gracas a Deus percebi a tempo, xinguei as duas em portugues, e puxei novamente minha grande nota no valor de 1/5 de euro. Tentei explicar mais tarde o golpe para dois policiais mais a lingua atrapalhava meu boletim de ocorrencia verbal.

Cansado da viagem e da grande caminhada de muitos km, comi um tradicional lanche local (65 coroas, menos que 3 euros, e delicioso), voltei para o albergue, e encerrei minha noite entre internet e descanso.

No outro dia, dou Czcheck Out (brincadeirinha) e parto novamente para a cidade, dessa vez em direcao ao castelo. Filmo algumas coisas, entro de gaiato na missa tradicional de domingo na igreja do castelo (vejam minha filmagem abaixo) e me dirijo para a ponte Charles. Porém durante o caminho, me deparo com uma pequena praia do rio Vltava. Nela, gansos e patos caminham sem medo entre as pessoas, e com isso consigo boas fotos dos animais.

Fazendo juz ao apelido de ´pulga atomica´ que me foi dado na infancia, decido escalar o muro para voltar a rua que se dirige à ponte, e para minha surpresa, dou de cara com o museu de Franz Kafka, autor do grande livro´A metamorfose`. Infelizmente, nao entro nele pela falta de tempo, mas entro sim em sua lojinha (hehehe), e posso considerar esse momento como o mais sortudo de todo o dia. Nessa loja conheci o trabalho de um artista checo chamado Alphonsé Mucha. Um pintor e ilustrador do que vivei no inicio do século 20, e que criou uma forma unica de retratar as mulheres. Confira abaixo alguns de seus trabalhos.

Com essa descoberta, decido visitar seu museu. Compro o ticket, passo pela ponte Charles (onde fiz uma filmagem com fundo musical de um sanfoneiro pedinte),e rumei para o museu de Mucha.

No caminho, meu faro jornalistico (e minha sorte) me levaram para mais uma experiencia interessante. Na rua do museu, dentro de um shopping, vejo um bafafá de policiais, e no chao, um corpo coberto com um lencol. Tentei descobrir o que era, mas novamente a lingua nao ajudou. O problema é que o policial me viu tirando foto do corpo, e mandou eu apagar, em um tom estupido. Será que todos os fotografos passam por isso?
O mais curioso é que estava a apenas alguns petros da embaixada brasileira, situada na mesma rua!

Finalmente chego ao museu e me delicio com a exposicao. Quem puder visitar praga, pesquise em seu hotel sobre o Museu de Alphonse Mucha e descubra esse estupendo artista, que é totalmente anonimo pelo Brasil.

Bom, com os presentes para mamae, vovó e o resto do mundo comprados, encerro minha experiencia por Praga. Busco minha mala e depois de 5 horas estou novamente em Berlin, para uma semana de estudos e mais conhecimentos. Amanha falo dou o update dessa semana e da proxima viagem que farei!


Espero que tenham gostado. Busquem mais info no google sobre Praga. Eu recomendo!

Um abraco

LARCF

quinta-feira, janeiro 24, 2008

18.01.008 -´Nazi`: Uma noite para esquecer

Essa foi boa para eu cair novamente na realidade. Nesta linda cidade que vivo temporariamente tem de tudo, mas nem tudo é muito correto. Nesse dia, tudo correu bem, com prova e pesquisas finais para a viagem à Praga.

Porém esse ´tudo bem` permaneceu somente até a hora que resolvi ir com meus colegas à uma discoteca aqui perto.A chuva incessante chegava em uma noite já incrivelmente fria. Porém tive que esperar uma boa meia hora na fila, embaixo desse clima ideal para uma gripe.

E veja a minha surpresa quando chego no momento da revista, uma mulher simplesmente fala que eu nao posso entrar! Sem motivo algum. Ela também barrou meu amigo mexicano, e sem saber o que fazer, procuramos abrigo contra a chuva e discutíamos o que fazer em seguida.

Mas minha maior surpresa vem em seguida, quando um colega noruegues nos conta que isso frequentemente acontece, pois eles na verdade querem excluir TURCOS das casas noturnas (a Alemanha tem um historico de imigracao turca muito grande, e eles nao se bicam muito).

Nao seria isso puro racismo? Sera que o povo daqui ja nao sente vergonha o suficiente de seu triste passado nazista?

De qualquer forma, terminamos a noite em um ´Kneipe` (nome dos pubs tradicionais da cidade) degustando uma amarga cerveja para esquecer do amargo momento que passei.


Luis Corvini Filho

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Update de 17 a 18 de janeiro

Siga o caminho para o Blue Man Group


Lista de Presenca de uma Sala de Aula Globalizada:

Carlo - Italiano que mora em Barcelona

Mary - Trinidad e Tobago (essa já saiu)

David - Irlanda

Helena - Russia

Magnus - Islandia

Claire - Reino Unido

David - Israel

Ernesto , Carmen e Luis - BRAZIL!!!

Aliás, o que mais temos aqui na escola sao brasileiros.

As aulas estao progredindo, e nessa semana fomos ao Blue Man Group. Em mais uma apresentacao fantastica, consegui dessa vez fotos com um dos integrantes, e o fiz segurar nossa bandeira verde-amarela. Ou seja, abrasileirei o azulao!

Em uma de nossas viagens de metro, topamos com o famoso ´ticket control´. Duas pessoas vistoriam os tickets dentro do vagao (ja que eles nao tem uma roleta bloqueando a passagem logo na entrada da estacao). Quem estiver irregular, paga 40 Euro. Sem discussao. Gracas a Deus estava tudo certinho com meu ticket mensal.

E quem diria! Consegui correr nessa friaca! Comprei uma roupa que retém o calor, e com ela corri até AlexanderPlatz. Nada mal para um estrangeiro que nao sabe os caminhos que sejam fora das linhas de metro.


Sehr gut, sehr gut. Até o proximo update amigos.

sábado, janeiro 19, 2008

E a vida continua corrida na capital da cerveja!!!

Ja peco desculpas com antecedencia...pois nao consigo entender os teclados daqui...entao ignorem por um momento a existencia de acentos gramaticais nesse texto.

15/01/08 resumo do dia:
Hoje quase tive serios problemas com o almoco na Cafeteria da escola de alemao...uma meleca de seilaoque que custaav 3,50 euro,. Acho que posso considerar o prato mais enjoante e enojante que ja comi...

MAS como temos seeempre que pensar no lado bom da vida...fiz diversas coisas interessantes...que resultaram no final em um longo e cansativo momento de estudo pela madrugada madrugada, (Hausaufgarbe ate 2 da manha e complicado, posso garantir)!!

Fomos ao Reichstag (o congresso alemao) que tem uma cupula de vidro maravilhosa, que mostra "a transparencia de seus politicos" (um conceito interessante, quem sabe podemos aplica-lo no Brasil...). E nao e que por coincidencia descubro um brasileiro trabalhando la... Seu Ferreira, 69 anos, SEGURANCA NOTURNO do congresso...colocararm a seguranca nas maos de um brasileiro, pq ele sabe como se virar em caso de problema, diferente do alemao, hehehe.

Descobri com minha amiga inglesa Marsha o teatro onde O BLUE MAN GROUP se apresenta...e nao e que a convenci de ir comigo, juntamente na companhia de outro colega, italiano, da minha classe, chamado Marco...coitado, ele esta ralando mesmo no alemao, nao fala nada nada...

Alem disso, logo em frente descobri um casino, e vou recuperar rapidamente todo o dinheiro gasto nesse investimento na lingua alema, hehehe (assim espero, torca por mim renan mestre ioda sr miagui do poquer).

Com um folheado de queijo de 2 euros na estacao de trem terminei a jornada de entretenimento por Berlin...amanha tem muiiiito mais...preparem-se pois no fds vem PRAGA.

Um abraco meus queridos!

domingo, janeiro 13, 2008

E comeca mais uma aventura jornalistica no antigo continente!!


Ola meus amigos, que saudade de vocês!

Aqui começo mais uma narrativa sobre as dificuldades de enfrentar o mundo. Digito de um computador na Alemanha, mais precisamente de Berlin.

Cheguei no país da ultima Copa da Mundo para finalmente aprender esse difícil idioma. E já começo apanhando. Primeiro deste teclado, diferente do que estou acostumado, segundo pois aqui todos falam com uma velocidade que nao consigo acompanhar! Jogo duro, mas vamos nessa ne? Afinal, serao 50 dias, com 4 horas diárias, para aprender tudo isso. Das ist die Leben (é a vida).

A viagem do Brasil para cá ocorreu sem maiores problemas, fora o espanhol com hálito vencido ao meu lado, nem as turbulencias perturbaram meu sono.

Chegando aqui pude perceber o quanto vou passar frio!! saí de uma fustigante temperatura de 30 graus para 3 graus centigrados, e com o sol se pondo às 5 da tarde... nao consigo nem correr nesse horario!

Enfim, também conheci meu roommate. O jovem José, um garoto de 19 anos que já esta aqui a 2 meses. Pelo jeito dele, acho que teremos diversas festas ao longo da estadia.

Bom, agora vou tentar achar um Brot mit Käse para satisfazer minha fome, e logo eu volto com mais noticias desse paraíso gelado chamado Deutshland!

Luis Corvini Filho