terça-feira, junho 29, 2010

TÔ NA COPA: Propaganda eleitoral no chá das Cinco



Os lordes ingleses deixaram muitas de suas tradições como legado na colonização britânica da África do Sul. Exemplos disso são o críquete, a forma inglesa de dirigir (motorista à direita do carro) e, é claro, o tradicional chá da tarde.

No Brasil, a campanha eleitoral já começou. Nosso próximo presidente deve ser um líder ainda mais conectado com os cidadãos do mundo. Mas será que isso vale também para esse saquinho de chá aqui no país da Copa?

PS: Este jornalista deixa claro que é imparcial na cobertura política brasileira. Os chás do PV e do PSDB não foram encontrados por nossa reportagem. Caso se pronunciem, terão direito à réplica no mesmo espaço deste blog. ☺ 

domingo, junho 27, 2010

TÔ NA COPA: Kruger Park - No caminho das feras!


1o. dia: 25/06

Uma viagem de 7 horas marcou o inicio de mais uma grande aventura. Parti rumo ao Kruger Park para um safári pela maior reserva natural da África do Sul.

O grupo era global: 2 canadenses, 1 americano de S.Francisco, 2 italianos que falavam um afinadíssimo português e mais um casal de ingleses. Com eles passei quase um terco de meu dia confinado em uma Van. Por conta do atraso no translado não cheguei a tempo de assistir Brasil X Portugal. Uma pena!

Tão logo cheguei ao Hotel, quase 6 h da tarde, parti rumo a um "aperitivo" do que será o Kruger Park. A bordo de um veiculo 4X 4 com a caçamba adaptada, fui com mais 3 pessoas e um guia tentar focar animais com uma potente lanterna. Eu tinha minha própria iluminação, graças à luz de minha filmadora (meus colegas da EPTV Sao Carlos sabem bem como ela funciona quando nos auxiliou no ultimo apagão nacional em novembro de 2009).

Conforme avançávamos pelas trilhas, os animais aos poucos iam surgindo. Vimos impalas, veados e coelhos. Quase no final do passeio porem, nos deparamos com um representante do big five : um grupo de 5 imensos rinocerontes, logo ao lado de nosso carro.

Ignorando nossa presença, eles cruzaram a estrada de terra e foram, aos poucos, sumindo na mata. Nada mal para o primeiro dia!
Amanhã, às 6 h da manhã, partiremos para o Park. O que encontraremos lá?


2o dia: 26/06
Ja estava de pé as 6h da manha, e após um café rapido, entrei com o resto do grupo no 4 X 4 para a viagem de 1 hora e meia, rumo ao Kruger Park.

Logo que passamos pelo portao principal, já avistamos o segundo de nossos Big Five: um Elefante.

Dentro do parque, sempre que alguém avistava algo, chamávamos o guia para mais informações sobre os bichos, e assim conhecemos kudus, impalas, gnus, zebras, hipopótamos e crocodilos. Todos tranquilamente se alimentando entre os arbustos ou tomando banho de sol.

O momento que mais surpreendeu a todos, porém, foi durante nossa busca por outro exemplar dos 5 grandes. Surgindo pela esquerda, uma girafa cruzou a estrada e quase "nos atropelou"! Por sorte nada aconteceu.

Passado o susto e a frustração de não ter filmado a cena do dia, observamos em seguida vários desses animais, que ate pareciam se exibir para nós.

No caminho de volta, encontramos o terceiro dos cinco grandes, não apenas um, mas centenas de bufalos. Parece que interrompemos o lanche da tarde da manada.

Ficamos na marca dos 3 pontos, uma vez que não vimos nem leão nem guepardo. Infelizmente, como afirmou o guia, o passeio pelo parque resume-se apenas a sorte. Ele mesmo conta sobre uma cena onde leões mataram um elefante, semanas atrás. Mas isso é a natureza. Quem sabe na próxima, nao?

Voltando ao Hotel, presenciamos um acidente na estrada, onde um carro atropelou uma vaca. Ninguém ficou ferido, mas vale ressaltar que o modo que o pessoal dirige por aqui é arriscado.

Amanha cedo tenho uma caminhada pelos arredores do alojamento.







3o dia: 27/06
Hoje o despertar foi ainda mais cedo. 5 da manhã. Dei uma volta junto com o guia, armado com um rifle, pelo alojamento, que é também uma reserva natural.

Observamos a árvore da bebida Amarula e alguns sinais cujos rangers se baseiam para identificação dos animais, como pegadas, árvores, cupinzeiros e até mesmo dejetos dos bichos.

Depois disso, novamente mais um rápido café, e embarquei para 7hs de viagem rumo à Johanesburgo, depois de 2 emocionantes dias de safári pelo Kruger. Cheguei bem em cima para ver o incrível jogo 
Alemanha x Inglaterra.



Sobre o Kruger
Kruger Park foi inaugurado em 1898, para proteger animais contra os caçadores. Ele foi aberto ao público, porém, somente em 1927. O primeiro protetor do parque foi James Stevenson-Hamilton. O nome “Kruger” é uma homenagem ao presidente Paul Kruger (1825-1904) , devido a seu esforço de proteção da fauna e flora. 

Dividido em cinco áreas, cada qual com únicas características, o parque se estende por uma área 19 624 quilômetros quadrados, com aproximadamente 60 kilometres em largura. É maior que o Estado de Israel.

Este santuário da vida selvagem provê refúgio para 147 espécies de mamíferos, 500 espécies de aves, 116 répteis, 34 anfíbios, 49 peixes, 457 tipos de árvores e arbustos, e incontáveis insects.


Serviço


Uma das opções para se visitar o Kruger Park é com a operadora AATO, aqui da África do Sul. Minha sugestão é conversar com a Fernanda Godoy, uma simpática brasileira que trabalha lá. Tenho certeza que ela e o resto do pessoal vão facilitar sua vida na organização do seu safári.

O telefone deles é +27 21 426 5445, o site www.nomadtours.co.za, e o e-mail da Fernanda é fernanda@aato.co.za.

sexta-feira, junho 25, 2010

TÔ NA COPA: Happy Hour Internacional



Na última quinta feira, fui ver o jogo da Itália x Eslováquia com duas amigas conheci no jogo México x Uruguai, em Rustemburgo. Maria, nascida na Venezuela, mora desde os nove anos na África do Sul. A outra, uma portuguesa chamada Lisete, é natural da Ilha da Madeira. Coincidentemente, ela também se mudou com nove anos para o país. Ambas falam um excelente português.

Vimos o jogo em uma Fan Fest “privada”, montada por um dos patrocinadores da Copa em um local chamado Italian Club. Só pelo nome, já dava para prever para quem os frequentadores do local iriam torcer. Eu, obviamente, estava na oposição, torcendo para a zebra Eslováquia.

E não é que minha voz solitária repercutiu na multidão? A Eslováquia jogou bonito e mandou a atual campeã mundial para casa mais cedo. Arrivedeci Itália.

Saindo “quietinho” de lá, conheci mais um amigo delas, Daniel, natural da África do Sul, mas com pais nascidos em Portugal. Assim, a conversa pelo resto da noite se estendeu com nossa língua materna.

Fomos em um restaurante japonês e terminamos nosso encontro em um Pub irlandês, vendo os jogos da Holanda x Camarões e Japão x Dinamarca.

Itália, Eslováquia, México, Uruguai, Portugal, África do Sul, Japão, Holanda, Camarões, Dinamarca e Brasil – tudo junto e em apenas uma noite, só mesmo na Copa do Mundo!

TÔ NA COPA: Banzai Shonan Bellmare!

Esse esdrúxulo cartaz, produzido magnificamente por mim, chamou a atenção dos torcedores no jogo de Alemanha x Gana, no último dia 23. Graças a ele, consegui trocar mais uma camiseta com um japonês camarada.

Segue então o registro deste blogueiro com a camiseta conquistada, juntamente com uma foto da troca anterior, com o pessoal do México.

A nova camiseta é do Shonan Bellmare. Segundo nossa amiga Wikipedia, o Shonan Bellmareé um clube profissional de futebol do Japão, jogando atualmente na 2ª divisão da J. League. 

Ele está localizado em Hiratsuka, a 1 hora de carro da capital Tóquio. Seu estádio é oHiratsuka Athletics Stadium.

PS: Estou tendo muitas, mas muitas dificuldades para conseguir trocar camisetas! Torcedores de outros países, sejam menos apegados a seus mantos sagrados e pratiquem oFair Play! Futebol se torce com o coração! Fans from other Countries, please be less attached to your team’s jerseys and practice the Fair Play by exchanging them! Football cheering is made with the heart!

quinta-feira, junho 24, 2010

TÔ NA COPA: A poltrona vizinha do avião me surpreendeu!


Viram essa moça bonita na foto? Gostaram? Pois é. Ela é Jo-Ann Strauss, ex-miss África do Sul e atual apresentadora de um programa do principal canal alemão, o 2DF.

Ela sentou ao meu lado durante o voo entre Durban a Johanesburgo. Super simpática, a jornalista estava em conexão para Kruger Park, onde faria uma reportagem sobre as belezas da África na maior reserva natural do país.

Conversamos a beça, durante toda a viagem, sobre a nossa vida corrida na área. Ela contou que, duas semanas antes da Copa, estava em Mallorca, e entrevistou David Beckham, Beckenbauer, etc. Bonita, inteligente e que manja de futebol, não é a mulher que todos os futebolistas desejam?

Mas, espertinhos de plantão, podem tirar o cavalinho da chuva. Peguei o contato dela, mas não passo não. E mais, ela já tem namorado (nessa eu me dei mal também). ☺

Conheça um pouco mais de Jo-ann Strauss nos vídeos abaixo e veja mais fotos aqui.





Crédito foto: Divulgação

terça-feira, junho 22, 2010

TÔ NA COPA: Matracas 1 - Vuvuzelas 0


Olá pessoal.

Ontem, como puderam ver, entrei para as estatísticas dos jornalistas sem internet na Copa do Mundo. Mas após muitas reclamações nesta manhã, estou novamente online.

Hoje pude presenciar os extremos aqui da Copa. Diferente dos jogos que assisti em Johanesburgo (tanto no Soccer City quanto no Ellis Park) e em Durban, dessa vez fui a Rustemburgo para mais um espetáculo do futebol.

Acompanhei um dos jogos mais emocionantes e divertidos dessa primeira fase: México x Uruguai. Foi o grande jogo latino americano (pelo menos dos países que participam da Libertadores) dessa primeira
fase da Copa.

A ida para Rustemburgo foi uma aventura. São 2h30 de viagem até lá. Deixei o carro no
estacionamento e lá mesmo entrevistei um curioso grupo de uruguaios. Em um total de 11 pessoas, eles estão seguindo a seleção celeste dentro de dois Motor Homes. Fãs do ex-São Paulino Diego Lugano, estenderam uma imensa bandeira do craque para que eu pudesse fotografar.

Do estacionamento, peguei um ônibus para o estádio. Até aí, tudo bem, pois quatro horas antes de começar o jogo, isso é algo tranqüilo de se fazer. Mas na volta... (mais detalhes nos próximos parágrafos).

Tem coisas que só um jornalista na torcida traz para você
Me diverti a beça com a torcida Mexicana, que compareceu em peso no jogo. Eles cantam, pintam a cara, usam imensos sombreros e máscaras dos famosos lutadores de luta-libre. Um barato.

Outra coisa bacana foi a vitória das Matracas, tradicional instrumento sonoro de madeira, frente às vuvuzelas Sul-africanas. Um rapaz ao meu lado trouxe um descomunal exemplar, de pelo menos meio metro, que animava a torcida a cada girada. Confira o vídeo.



Alem de girar as matracas, os mexicanos xingam bastante. A cada tiro de meta dado pelo goleiro uruguaio, soltavam um sonoro ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ Pu** para atrapalhar o jogador. É feio, mas não deixa de ser engraçado.



E quando cansam de xingar, eles cantam. E são bem unidos nos gritos de guerra.



O jogo foi muito bom. Ataques dos dois lados. Uma pena que a ambição mexicana de querer vencer o jogo abriu uma brecha, aproveitada pelo Uruguai. 1 a 0. Ainda assim, ambas as equipes se classificaram para a 2a fase.

Mas os mexicanos até chegaram a “fazer um gol”. Um torcedor invadiu o estádio e pulou dentro do gol uruguaio. A galera vibrou, mas ao se aproximar da diagonal do campo, ele foi detido pelos seguranças.



O final, porém, é que foi desapontador. Com o apito do juiz, diversas garrafas de cerveja foram atiradas em direção ao campo, caindo obviamente não no gramado, mas na parte inferior da arquibancada. Não consegui ver se elas acertaram alguém, mas esse atitude definitivamente não pode acontecer.

Lembram-se quando eu falei dos ônibus na ida para o estádio? Bem, tive que tomar um deles para voltar para o estacionamento. Com uma imensa confusão e uma grande quantidade de pessoas, esperei quase uma hora para embarcar. Depois, mais 2h30 de viagem para eu estar aqui e contar essa história para vocês!

Pontos positivos do jogo
- Os mexicanos são uma torcida super animada e divertida. Vale estar no meio deles.

- Finalmente troquei uma camisa por aqui. É uma preta do México. Muito bonita.

- Alem da camisa, troquei um boné por uma das tradicionais máscaras mexicanas. E ainda verde e amarela!

Negativos
- Saindo dos grandes centros, a organização para o jogo deixa bastante a desejar. Voltar de ônibus do estádio para o estacionamento foi um suplício. Acrescente mais 2h30 de volta à Johanesburgo e tem-se um passeio extremamente cansativo para o dia.

- A torcida mexicana, jogando garrafas, é o mais puro exemplo de anti-fair play. E olha que, mesmo perdendo, eles ainda se classificaram. Será que estão com tanto medo da Argentina nas Oitavas-de-final?

- A invasão de campo só foi controlada depois do “gol” do torcedor. Os seguranças só o dominaram quando ele saiu das quatro linhas. E o tempo continuava correndo...

OBS: Peço desculpas pela falta da postagem de ontem.

TÔ NA COPA: Encontrei a turma da Van da Copa!



Por conta daquele dia em que a internet falhou, não pude mostrar para vocês o encontro com a Turma da Van da Copa. São eles que estão com uma taça gigante, que aparece toda hora na televisão!

Então, conforme combinado na reportagem que fiz ainda no Brasil, aqui está o registro fotográfico do encontro.

segunda-feira, junho 21, 2010

TÔ NA COPA: Sem acesso

O blogueiro Luis Corvini Filho, que está em Joanesburgo, teve problemas acesso à internet nesta segunda-feira.
Ele volta com mais informações sobre os bastidores da Copa assim que a conexão for restabelecida.

sábado, junho 19, 2010

TÔ NA COPA: Casa Brasil é convite para 2014


O Brasil quer mostrar aqui em Johanesburgo que também sabe conduzir um grande espetáculo fora de campo. Prova disso é a inauguração da Casa Brasil, uma exibição que convida os fãs do futebol a já fazer planos de aterrissar na nossa terrinha daqui a quatro anos.



 “Nossa ideia aqui é promover o Brasil de forma bastante ampla e diversa. Um Brasil ainda pouco conhecido no exterior”, explica Flávia Araújo, gerente de mercados da Embratur. “É o Brasil do turismo, de uma indústria forte que exporta e produz, de uma ciência e tecnologia de ponta.”

Veja mais imagens na Galeria de Fotos




Todas as cidades-sede da Copa de 2014 estão expostas e trazem em seus stands um pouquinho da tradição dos quatro cantos do país. A Bahia aposta na música e no seu principal símbolo – a baiana.

“Eu trouxe a imagem de Oxum, que é a deusa da sensualidade, da fertilidade do ouro, e também muito axé para os jogadores da seleção, né?” – brinca a típica baiana Lucicleide Nascimento.

Para realizar uma Copa inesquecível, o setor de serviços é um dos que mais precisa se aprimorar¬¬. Toda uma cadeia produtiva, incluindo transporte, alimentação e hospedagem, precisam ser melhorados.

George Melo Barreto, diretor de desenvolvimento da Salvador Turismo (Saltur), explica como isso será feito na capital baiana: “Salvador está buscando a qualificação em idiomas diferentes, em atendimento ao cliente e técnicas de venda e em manuseio do alimento, para não apenas receber 500 mil turistas estrangeiros, e sim cativar essas pessoas para que elas voltem e venham ver e viver Salvador.”

Já o estado do Amazonas trouxe o folclore brasileiro com os dançarinos do festival de Parintins. A apresentação contou com a simbologia dos índios e da sinhazinha da fazenda (confira o vídeo).



A brasileira Marcela Figueiredo, que trabalha como dentista em Moçambique, relembrou um pouco da sua terrinha. “Achei a decoração de cada estado muito rica, principalmente a de Recife, que é do meu estado, Pernambuco.”

Por outro lado, tendo enfrentado dificuldades na ida para os jogos aqui na África do Sul, ela espera que os problemas não se repitam daqui há quatro anos: “Nós tivemos muitas filas nos transportes públicos, que estão sendo ineficientes. Passamos quase uma hora à espera de um ônibus para ir para o estacionamento. Além disso, na entrada do estádio, quando faltou energia no 1o jogo, o portão estava fechado”. Ela ainda alfineta: “Eu espero que no Brasil já não haja isso”.

E a principal parte da Casa Brasil é justamente o nosso maior motivo de orgulho. A exposição Cinco Estrelas traz fotos e vídeos das conquistas mundiais, além de troféus e homenagens que a seleção canarinho recebeu durante as participações em todas as Copas do Mundo.

“Nós trouxemos essa exposição para a África com o objetivo de mostrar ao mundo peças que a seleção brasileira ganhou em partidas disputadas ao longo dos mundiais”, explica Antônio Carlos Napoleão, curador e gerente de memória e acervo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Raridades como uma placa comemorativa de 1962 do jogo do Brasil e Inglaterra (cuja peleja terminou empatada), além de camisetas utilizadas por craques dos cinco títulos estão expostas. Em destaque e protegida por uma redoma de vidro, descansa a restaurada Taça Jules Rimet, conquistada definitivamente pelos heróis do tricampeonato de 1970.

O carioca e flamenguista Francisco Morais, velho de guerra quando o assunto é Copa do Mundo (esta é sua décima-primeira Copa) afirmou que visita a exposição desde 1982. Para ele, esse ano, a exposição se sobressaiu, e é a mais bonita que já viu.

E a prova de que a Copa de 2014 vai garantir um grande numero de turistas está na fala do Sul-africano Thomas Malaotsi. Depois de rodar por todos os stands, ele já faz planos de estar no Brasil daqui a quatro anos.

“Eu vou começar a poupar cada centavo para estar no Brasil em 2014. Eu visitarei, Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e, mais do que tudo, eu quero mesmo conhecer é o samba”, afirma ele, entusiasmado.



Serviço
Casa Brasil
Horário: das 14h às 18h
Local: Sandton Exposition Centre – Maude Street Sandton 2196 (anexo ao Shopping Sandton City) – Johanesburgo
Tel: +27 11 779 0000
Entrada gratuita

sexta-feira, junho 18, 2010

TÔ NA COPA: Troca de camisetas


Um dos gestos mais bonitos do futebol é a troca de camisetas entre os jogadores. Seja no intervalo ou no final da peleja, os craques se cumprimentam e trocam entre si o símbolo de seus times.

A moda pegou também na torcida, e desde 2002 tento imitar esse ato, mesmo que através da linguagem universal dos gestos (primeiro aponto para minha camiseta, e depois para a camiseta do outro torcedor).

A situação resulta em momentos divergentes: um sorriso amarelo ao ter a troca recusada pelo outro torcedor; ou um sorriso verdadeiro, quando o “rival” aceita a troca e recebe, além da camiseta, um abraço e uma história de vida que não conheceria sem abrir mão do "manto" do seu país.

Minha coleção de camisas de seleção é pequena, muito longe da imensa quantidade de uniformes do velho lobo Zagallo (até porque tento somente ampliá-la a cada 4 anos), mas em duas Copas, já troquei a amarelinha por camisetas da Coréia do Sul, China (Copa de 2002), Croácia e Japão (Copa de 2006). 
Tenho preferência por equipes que, provavelmente, não pisarão nos gramados do torneio tão cedo.

E vocês, fiéis torcedores e internautas, qual dos times dessa Copa vocês acham que devo tentar exercer o fair play ? Deixem suas opiniões nos comentários abaixo que prometo lutar bravamente para conseguí-las!

Só não exagerem na tarefa, pois talvez eu tenha dificuldades com times como a Coreia do Norte e Honduras, que sofrem para conseguir uniforme para a própria equipe!

Por enquanto, ainda não consegui trocar nenhuma por aqui, mas continuo na luta.

quinta-feira, junho 17, 2010

TÔ NA COPA: Tango argentino sobre a Coreia


Olha, como vocês pediram, fiz todo o esforço possível no jogo de hoje. Invadi a torcida Sul-coreana, que estava no extremo oposto do meu assento, entoei seus hinos (experiência da Copa de 2002) e até dancei com os vermelhos mais descontraídos. Mas no final, ou ao menos no meio do segundo tempo, foi mesmo a equipe da Coreia que dançou.

Messi deu um show à parte. O baixinho é bom mesmo. Vê-lo ao vivo é muito mais impressionante do que pela telinha. É um maestro. 4 a 1 na moleza.

Mas a Coréia tem um belo trunfo. Sua torcida, definitivamente, dá um show. Confiram então a organizada, cantarolante e cara-pintada torcida vermelha, em vídeos e fotos. Te Hamin Gwo.







E depois, na saída...


TÔ NA COPA: Vocês pediram - FORÇA Coreia do Sul



Por 4 a 3, serei Coreia hoje. Vamos protagonizar a zebra do campeonato! Força Coreia do Sul! Te Hamin Gwo!

quarta-feira, junho 16, 2010

TÔ NA COPA: Dia da Juventude


Hoje foi feriado aqui na África do Sul. No dia 16 de junho, comemora-se o Dia da Juventude, uma homenagem ao desencadeamento trágico da revolta estudantil de 16 de junho de 1976.

Na data, um protesto de estudantes contra o sistema de ensino separatista resultou na morte, ao longo das semanas seguintes, de aproximadamente 700 pessoas, além da destruição de diversas propriedades.

Interessado em entender ainda mais a história do país, fui visitar hoje o Museu do Apartheid. O local relata as cicatrizes cravadas na história do país com o movimento de segregação racial, ocorrido entre 1948 e 1994.

Para colocar o visitante “na pele” dos segregados, são distribuídos, aleatoriamente, cartões delimitando a entrada das pessoas pelo lado dos “brancos”, e outros pelo lado dos “não-brancos” (eu entrei por esse).

Ao longo dos corredores e salas, relatos, frases e filmes com as raízes do movimento desde a colonização, passando pelos períodos de descoberta do ouro e diamantes no país e dos ícones da revolta contra o movimento. 

O maior de todos, Nelson Mandela, tem uma seção exclusiva. Para decifrar Madiba por completo, o museu separa seus momentos de vida em Líder, Companheiro, Negociador, Prisioneiro e Presidente.

Devo confessar, fiquei tão envolvido com sua história, que passei três horas apenas nessa parte. Por conta disso,não tive tempo de visitar o resto do museu, cujas atividades foram encerradas às 17h. Terei que voltar novamente outro dia.

Para completar a celebração no país, fui tentar torcer pelos Bafana Bafana na Fan Fest aqui em Johanesburgo. Novamente, estava tão frio, mas tão frio, que não agüentei e voltei para o hotel na hora do intervalo.

Infelizmente, vi a derrota da equipe de Parreira para o Uruguai (aliás, com uma bela atuação da equipe celeste). O povo Sul-africano está triste, mas vamos ver como eles comentam sobre a peleja amanhã.

PS: Na foto, um dos monolitos da entrada do Museu do Apartheid.

TÔ NA COPA: Brasileiro é agredido no 1o jogo do Brasil

Um torcedor brasileiro foi agredido durante o jogo Brasil x Coreia do Norte, ocorrido na última terça feira, 15/06, no estádio Ellis Park, em Joanesburgo. A briga ocorreu durante o 2o tempo do jogo.

Após uma discussão, o torcedor brasileiro recebeu três socos no rosto e rolou as escadas da arquibancada. O agressor, aparentemente um não-brasileiro, ainda foi atrás do torcedor brasileiro para continuar a briga. Nesse momento, outros torcedores intercederam para apartar a confusão. Somente depois disso a polícia chegou ao local.

Eu estava muito próximo da briga e filmei os momentos seguintes, com a polícia chegando e repreendendo os torcedores. Mas após diversas tentativas (muito pouco convincentes, devo dizer) ela não conseguiu retirar os brigões de campo. O brasileiro ficou sentado na escada e o agressor voltou ao próprio assento.

Depois de alguns minutos, mesmo com as tentativas de outros torcedores para impedí-lo, o torcedor brasileiro subiu as escadas e discutiu novamente com o agressor. Por fim, voltou ao seu assento, do lado da mulher do agressor. Segundo testemunhas, o brasileiro agredido aparentava estar embriagado e tinha provocado o outro torcedor previamente.

Confira os vídeos





Confira a galeria de fotos

terça-feira, junho 15, 2010

TÔ NA COPA: Brasil x Coreia do Norte - Empolgante só mesmo na torcida

Quem assistiu ao jogo do Brasil ontem se decepcionou ao não ver uma goleada. Realmente, ficaram devendo. Mas como o foco aqui é mostrar que na Copa do Mundo quem capricha mesmo é a torcida, aqui está minha contribuição na estreia da seleção na Copa de 2010. Essa imagem provavelmente estará em diversos jornais do planeta na quarta-feira, 16/06.

"KIM JONG IL pensa que estou no trabalho", diz o divertido cartaz de um grupo de irlandeses, sentados na fileira atrás de mim. Curiosamente, durante o aquecimento, os jogadores norte-coreanos se esforçavam para ler o cartaz, e ao conseguirem, riam e acenavam para os fanáticos "apoiadores" do regime ditatorial do país.

PS: devo salientar: estava frio, frio frio, frio, mas muito frio no Ellis Park. Minha querida Mônica Gimenez, mande uma previsão positiva para os dias aqui em Johanesburgo, por favor!

segunda-feira, junho 14, 2010

TÔ NA COPA: Seguidores pé quente! Vitória da Holanda!


Meus queridos internautas, Já pensaram em entrar no bolão aqui da EPTV? Pergunto isso pois os dois times que eu torci, por conta da votação de vocês (dessa vez Holanda, com 7 votos x Dinamarca, com 1 voto apenas), venceram!

Então quero ver se a próxima vocês conseguem também. É uma parada dura. Será que vão me botar em uma fria?

Próxima Partida: dia 17/06

ARGENTINA OU CORÉIA DO SUL? Serei parte da torcida dos nossos maiores rivais ou dos diabos vermelhos?

Lembrando que já estive em 2002 na Coréia do Sul e sei bem o que é a emoção da torcida vermelha.
Mas de qualquer forma, aqui no Tô na Copa, quem manda são vocês!


OBS: Sejam bem vindos à Joanesburgo! A foto foi tirada no majestoso Soccer City, com mais de 83 mil torcedores em uma tarde ensolarada. Confiram mais de Holanda e Dinamarca no nosso álbum de fotos!

TÔ NA COPA: Expectativa da torcida

O que os torcedores esperam para o jogo de amanhã?

TÔ NA COPA: Fotos de Alemanha x Austrália



Por conta do meu voo entre Durban e Johanesburgo, na segunda feira, fiquei devendo as imagens do jogo entre Alemanha x Austrália. A torcida australiana, que compareceu em peso no jogo (incluindo diversos cangurus), infelizmente saiu do estádio sem nem um golzinho de honra.

Elas já estão no nosso álbum de fotos. Confiram!

sábado, junho 12, 2010

TÔ NA COPA: TOOOORRRRRRR - DEUTSCHLAND!!!

Alemanha I I I I I I

Austrália I I I I

Por 6 votas à 4, amanhã torcerei para a Alemanha, diretamente do estádio Moses Mabhida, em Durban!

Obrigado aos internautas Thiago, Tereza, Morgana, Karina, Marcelo, Neto, Luciano, Reberson, Lorena e Fabiana pela participação.

PRÓXIMA PARTIDA: Holanda x Dinamarca.
Serei parte da torcida da laranja mecânica ou da dinamite dinamarquesa?
Dêem seus votos nos comentários! A peleja já é na segunda, 14/06!

Informação extra: a palavra Tor, em alemão, significa gol!

sexta-feira, junho 11, 2010

TÔ NA COPA: Laduuuuuuuma Bafana Bafana!


A rede balançou pela primeira vez na Copa da África do Sul. Os Bafana Bafana levaram à loucura sua torcida multiétnica, sustentada não só por nativos, mas por todos os demais torcedores das outras equipes (eu inclusive) do mundial.

Os Sul-africanos abriram o placar. Os fãs, como vocês podem conferir abaixo, foram à loucura!


Agora imaginem só: os jogadores lutaram bravamente durante os 90 minutos do jogo, tendo merecidos 15 minutos de descanso entre os tempos, certo?

Bem, do lado da torcida, não existiu essa moleza. Dentro da Fan Fest em Durban (construída no melhor estilo de festa em Copacabana, na orla da praia), posso garantir, as vuvuzelas tocaram o tempo todo, o dia todo.

OK OK. Não posso negar, Acabei contribuindo com a barulheira, já que adquiri também a minha corneta. Coitada da torcedora alemã que ficou ao meu lado. Ela tentava, inutilmente, proteger seus ouvidos com tufos de lenço de papel.

Voltando ao intervalo, a torcida teve uma novidade interativa. Eles puderam jogar uma partida virtual de futebol, com as mãos.


E para resumir todas as emoções que aconteceram hoje na África do Sul, convido vocês a acessar nosso álbum de fotos . Vocês poderão ver em cada um dos sorrisos o verdadeiro sentimento que está sendo a Copa de todas as cores.

E rapidamente explicando o título dessa postagem: Laduma quer dizer GOL em Zulu. Nada melhor para representar o jogo de hoje não é?

quinta-feira, junho 10, 2010

TÔ NA COPA: VIVA Madiba! Começa a Copa da África



E estamos a poucas horas da maior festa do Planeta! A partir de amanhã, o futebol constrói uma gigantesca ponte transcontinental, ligando o mundo e a África. 

E para iluminar ainda mais essa ponte, traduzi para vocês um artigo muito esclarecedor, que li durante minha viagem entre a Cidade do Cabo e Durban. O autor, chamado Howard Stafford, fala sobre como os olhos do mundo são “ignorantes” perante ao continente africano.

O continente sombrio

No começo do ano, a irmã de minha mulher e sua família vieram nos visitar em Johanesburgo. Eles vivem nos EUA. As duas filhas, de 18 e 20 anos, estavam naturalmente entusiasmadas sobre a viagem e contaram a seus amigos em Columbus, Ohio, que estavam “indo para a África”.

Ao logarem no Facebook, as meninas depararam-se com as mais variadas perguntas dos seus amigos dos EUA, querendo saber sobre a vida na África.

Confesso que influenciei suas respostas, na qual uma dizia: “Todas as manhãs, nós tiramos leite dos elefantes-fêmea e cavalgamos em zebras floresta adentro para colher mangas e bananas para o café da manhã.” Os norte-americanos responderam à postagem desacreditados: “UAU, isso é muito legal.” era a resposta mais comum.

É difícil compreender que, em um mundo tão conectado, a África ainda seja uma terra incógnita, misteriosa e extraordinária para muitas pessoas, tal como era na época dos exploradores antigos. Muitos dos amigos em Ohio imaginavam que a África era um grande país, escassamente populado, em algum lugar no meio de algum outro oceano.

Quando os viajantes sul-africanos retornam para seus lares, eles amam presentear seus amigos com histórias que discorrem mais ou menos assim: “Eu estava em um bar e um dos nativos perguntou sobre meu sotaque. Quando falei a ele que era da África do Sul, ele disse que seu amigo John Smith morava na Zâmbia e perguntou se eu, por acaso, o conhecia. Ele ficou bastante assustado quando expliquei que a Zâmbia estava a 1000 quilômetros de distância da África do Sul, e que portanto eu não conhecia esse amigo.” A vasta maioria das 7 bilhões de pessoas no planeta não faz a mínima idéia do que é a África.

Eu cheguei à conclusão que o filme O Rei Leão é o grande culpado por esses equívocos. As pessoas realmente acreditam que a África é uma terra de savanas infinitas, habitada por nobres leões e cômicos javalis que trotam para lá e para cá, cantando Hakuna Matata. E é claro, os animais são todos domésticos, com exceção das covardes hienas. Fato é, a África é um grande zoo domesticado.

Esta falta conhecimento pode levar a conseqüências infelizes. Há alguns anos atrás, um grupo de turistas japoneses visitou o parque dos leões, nos arredores de Johanesburgo. Os leões estavam descansando. Ao invés de fazer gracinhas, estavam apreciando uma siesta. Um dos turistas saiu do carro e caminhou em direção aos leões, para que os demais pudessem tirar fotos dele com as feras sonolentas.

Os leões acordaram instantaneamente, atacando e matando o rapaz. Esta não é para ser uma história engraçada, mas ilustra muito bem que ignorância não é necessariamente felicidade (como na música ignorance is happiness, dos Ramones). Similarmente, pessoas que vão nadar em praias desprotegidas não deveriam ficar muito surpresas quando são “petiscadas” por um grande tubarão branco.

Havia um website dedicado à responder questões de pessoas que planejavam viajar para a África do Sul. Creio que eles fecharam o site porque o moderador esgotou o leque de respostas sarcásticas. Como você responde seriamente para perguntas como: “Você pode comprar queijo na África do Sul?” ou “Existem hospitais ou devo trazer meu próprio kit médico?” ou “Existem estradas asfaltadas na África do Sul?”. É quase impossível sobrepujar os estereótipos mal informados que as pessoas anexam à esta terra maravilhosa.

Se você está aqui para a Copa do Mundo da FIFA, você é mais que bem vindo a este país maravilhoso. Talvez você possa dar um pouco mais de esclarecimento às pessoas sobre a África, quando você retornar à sua casa. A África tem cidades , estradas e infra-estrutura, é um país civilizado e um lugar esplêndido. Mas, por favor, lembre-se de não mimar os animais.

___

Algumas informações de hoje:

- Durban permaneceu nublada. Choveu fraco à tarde.
- Consegui a permissão ao acesso do site de imprensa da Fifa. Então teremos informaçõesdireto da fonte.
- A 24h do início dos jogos, as obras ainda continuam. Confiram no álbum de fotos 
Confiram no álbum de fotos.
- Falando em Fifa, ela comprovou hoje o número total de assentos de cada ingresso:

Cidade do Cabo: 64,100
Durban: 62,760
Johanesburgo, Ellis Park: 55,686
Johanesburgo, Soccer City: 84,490
Mangaung/Bloemfontein: 40,911
Nelson Mandela Bay/PE: 42,486
Nelspruit: 40,929
Polokwane: 41,733
Rustenburg: 38,646
Tshwane/Pretoria: 42,858

- E também liberou para a imprensa números do total de venda de ingressos, até ontem. Foram vendidos 97 % do total de tickets. Mais precisamente 3.009.000 de unidades. AINDA estão disponíveis 135.000, sendo que destes somente 30.600 para venda ao público.

PS: Quem viu a apresentação de hoje, digam para mim, o Desmond Tutu é demais, não é?